Google+ Followers

sábado, 24 de março de 2012

Só pode haver uma rainha


Madonna soa introspectiva e alegre no novo disco: letras reveladoras Com novo disco, "MDNA", a cantora mostra que tem cacife para ocupar o trono do pop por muito tempo

Antes de "MDNA", o décimo segundo álbum de estúdio da cantora Madonna, que será lançado mundialmente no dia 26, mas que caiu na internet na última segunda-feira, o que mais se ouvia sobre ela era que seu reinado estaria chegando ao fim. O disco anterior, "Hard Candy" (2008), estava muito aquém do que se esperava de Madonna. Além disso, nos últimos quatro anos, várias candidatas a rainha do pop, como Kylie Minogue, Britney Spears, Rihanna e Beyoncé, lançaram discos novos e avançaram algumas casas no tabuleiro da música.

No mesmo período, o mundo viu surgir Lady Gaga, que rapidamente parece ter assumido a dianteira nesta disputa. Todas elas, ora alfinetando, ora derretendo-se em elogios e admitindo que, sim, se inspiram em Madonna.


Depois de rodar o mundo com a "Sticky & Sweet Tour", ela deu um tempo na música, como que deixasse suas candidatas a sucessora mostrarem o que podiam fazer. Madonna lançou uma coletânea, gravou um clipe ("Celebration", ao lado do então namorado brasileiro Jesus Luz) e dirigiu seu segundo filme ("W.E. - O Romance do Século", em cartaz no País).

Retorno

Com "MDNA", ela volta à cena para mostrar quem é que manda. Ou, pelo menos, que ainda tem gás para se reinventar e fazer um pop de qualidade. O disco abre com "Girl Gone Wild", produzida por Benny Benassi. Na introdução, ela afirma que se arrepende dos pecados que cometeu e que quer ser boa. Mais adiante, porém, ela admite que não consegue se controlar.

"Na pista até amanhecer/Garotas só querem se divertir/Eu sei, eu sei, eu sei/Não deveria agir assim/Eu sei, eu sei, eu sei/Boas garotas não se comportam mal/Se comportam mal/Mas, de qualquer forma, eu sou uma garota má/Perdão", canta em um dos versos da letra.


A faixa, que havia sido divulgada há alguns dias e ganha clipe na semana que vem, cumpre bem seu papel, dando uma ideia do que está por vir: Madonna cansou de tentar bancar a boazinha e quer mesmo é botar para lascar.

Na sequência, "Gang Bang" não deixa sobrar tempo nem para recuperar o fôlego. Numa das melhores músicas da carreira, Madonna solta o verbo e esculhamba geral. Batida pulsante, voz nasalada, versos fortes e palavrões em profusão. Genial. "E eu vou direto para o inferno/E eu tenho vários amigos lá", diz. Merece ser lançada como single (e ganhar clipe a altura, se possível, dirigido por Jonas Akerlund) e entrar na próxima turnê, cuja passagem pelo Brasil já é dada como certa no começo do próximo mês de dezembro.


Em "I´m Addicted", ela compara o amor a uma droga. No caso, o MDMA, um dos nomes pelos quais é conhecido o êxtase. Foi daí, aliás, que ela tirou a ideia do título do disco, trocando apenas uma letra e cr iando um anagrama com o seu próprio nome.

"Turn up the Radio" também tem potencial para virar hit. O ritmo do disco só é quebrado quando entra "Give me All your Luvin´", com participação de Nicki Minaj e M.I.A.. A temática cheer leader casou bem com a performance no intervalo do Superbowl, mas destoa do resto do disco. Não é ruim, mas, tendo em vista o conjunto de "MDNA", dá para notar que foi mais uma adequação ao contexto da apresentação do que qualquer outra coisa. O mesmo se aplica a balada "Masterpiece", parte da trilha sonora de "W.E." - que nem no filme toca.

Outro ponto alto é "I don´t Give a", na qual Nicki Minaj afirma que "só pode haver uma rainha e ela é Madonna". A letra é uma das mais confessionais do disco. Fala sobre não ligar para o que as pessoas pensam dela: "Tentei ser uma boa garota/Tentei ser sua esposa/Me diminuí/Engoli minha luz/Tentei ser tudo o que você esperava de mim/E se eu falhei/Não dou a mínima". O que será que o ex-marido, o cineasta Guy Ritchie, achou da música?


A filha Lourdes Maria participa como backing vocal (alguém notou?) em "Superstar". Inevitável a comparação com "Hello", sucesso do produtor da faixa, Martin Solveig. A menina já havia inspirado a mãe a compor "Little Star", de "Ray of Light".

Numa prova de que busca referências na própria carreira - se as outras podem, por que não ela mesma? -, Madonna apresenta "I´m Sinner". Soa como uma mistura de "Ray of Light" com "Beatiful Stranger". Combinação bombástica. A cantora sabe o que funciona. Se dizendo uma pecadora, em meio a um atmosfera oriental, ela evoca Maria, Jesus, São Cristóvão, São Sebastião e Santo Antônio.

"Love Spent" começa com um banjo futurista. O clima oitentista evoca Erasure e La Roux. Muito vagamente, remete a "Hung Up", um dos maiores hits de Madonna. A versão simples do disco encerra com "Falling Free", uma balada sombria como as q ue só William Orbit sabe produzir. Na versão dupla, haverá mais cinco músicas bônus, incluindo um remix de "Give me All your Luvin´" feito pela dupla LMFAO.


Equilíbrio

"MDNA" certamente entra para o hall dos melhores discos de Madonna, ao lado de "Like a Prayer" (1989), "Ray of Light" (1998) e "Confessions on a Dancefloor" (2005). A produção dividida entre William Orbit (parceiro em "Ray of Light"), Benny Benassi e Martin Solveig deram ao trabalho o equilíbrio certo de intros-pecção e alegria.

Em poucas ocasiões Madonna se abriu tanto nas letras. É verdade que todas as suas composições são pessoais e carregam muito do que ela vivia naqueles momentos, mas desta vez ela foi mais direta. "Acordei ex-esposa/Essa é a sua vida/(...)/Você ficou bravo comigo/Quem tem a custódia/Os advogados que se danem/Não tinha um acordo pré-nupcial/(...)/Fazer um filme/Escrever uma música/Tenho que pegar meu dinheiro de volt a", brada em "I don´t give a".

O disco está cheio de recados para a concorrência e para ex-maridos e namorados. Mas também tem bobagem, refrões pegajosos e batidas capazes de animar qualquer festa. Exatamente como deve ser a boa música pop.

Créditos: Madonna Eletronica/ MInsane

Nenhum comentário:

Postar um comentário