Google+ Followers

terça-feira, 20 de março de 2012

Recado de amor



Era um homem muito inteligente e de bom caráter. Pesquisador eminente, se dizia ateu, vivendo distante de qualquer reconhecimento sobre a Criação Divina.

Sua crença pessoal era de que, após a morte do corpo físico, nenhuma vida haveria.

Apesar de ser casado e pai de um menino, não encontrava muito tempo para desfrutar da convivência familiar, dedicando sua vida quase que integralmente ao trabalho.

Porém, após a chegada de sua segunda filha ao lar, uma mudança gradativa foi acontecendo em sua vida. Aquela criança despertou nele um sentimento até então desconhecido.

Ele se encantou com a doçura do olhar que a filhinha trazia.

À medida que ela foi crescendo, desenvolveu pelo pai uma enorme ternura. Sentiam imensa alegria em desfrutar da companhia um do outro.

Aos poucos, ele passou a organizar melhor a sua rotina, dividindo com mais equilíbrio o tempo entre o trabalho e os cuidados com toda a família, valorizando muito os momentos que passavam juntos.

A doce menina envolvia-o com várias perguntas.

Ela indagava ao pai sobre quem fizera o sol, quem alimentava os pássaros que viviam livres na natureza e como o corpo humano podia funcionar tão perfeitamente.

A resposta era quase sempre a mesma. Ele dizia que um dia, quando ela crescesse, compreenderia tudo.

Porém, todas essas perguntas o levavam a reflexões íntimas. Passara a pensar sobre toda a obra que não era fruto do trabalho do homem.

Mas chegou um dia que a pequena adoeceu gravemente. Tudo foi feito para salvá-la. Contudo, os médicos não tiveram sucesso e ela desencarnou.

Poucos meses depois, com o coração ainda carregado de dor e saudade, sua esposa encontrou-o redigindo um texto endereçado à sua filha que partira. Em desabafo, escrevia:

Filha do coração, embora eu viva triste, a verdade me diz que a morte não existe. Anjo de paz e amor, é impossível morrer. Vives hoje no Além, tanto quanto em meu ser... Perder-te a companhia é toda a minha dor.

Não olvides teu pai, cansado e sofredor!... Nunca te esquecerei, filha dos sonhos meus. A saudade de ti trouxe-me a luz de Deus.

* * *

Se analisarmos essa história do ponto de vista material, apenas enxergaremos um pai que sofre pela saudade da filha que partiu muito cedo.

Mas se analisarmos com o entendimento que a Doutrina Espírita nos traz, veremos que essa menina renasceu com a missão de encaminhar seu pai em direção a Deus.

Ela veio trazer um recado de amor.

O seu modo especial de ser na convivência com o pai e depois, a dor causada pela sua ausência, fizeram com que ele despertasse para reconhecer a existência de Deus e da vida espiritual.

* * *

A misericórdia Divina apresenta-se por caminhos que nem sempre compreendemos. A dor causada pela perda de nossos afetos pode ser a lição necessária ao crescimento espiritual.

Muitas vezes os filhos que partem precocemente, foram anjos que Deus colocou na nossa caminhada para nos auxiliar na evolução espiritual.

Que possamos agradecer a Deus a oportunidade de conviver com os Seus mensageiros de amor e bondade.



Redação do Momento Espírita, com base no cap. Recado
de amor, do livro A vida conta, pelo Espírito Maria Dolores,
psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Ceu.
Em 02.03.2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário