Google+ Followers

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Todos podem ser generosos


Quando tinha treze anos, Severino saiu de Olho D'água Seco, no sertão de Pernambuco, para morar com um tio na capital, Recife.

Certo dia perdeu-se na cidade grande. Sem saber ler, não conseguia encontrar o caminho de volta olhando as placas e o nome das ruas. Era como se fosse cego, diz.

Quando, afinal, achou o endereço, pediu ao tio para lhe comprar uma cartilha de alfabetização. Sozinho, aprendeu a ler e a escrever. Um ano depois, voltou ao sertão e tratou de ensinar o que sabia à irmã.

Não era muito, mas era o bastante. Depois, improvisou uma escolinha para alfabetizar outros moradores. Já tinha ensinado duzentas e trinta e uma pessoas a ler quando deixou Pernambuco, há vinte e quatro anos, por uma vida melhor em São Paulo.

Durante a viagem, ensinou mais doze conterrâneos a assinar o próprio nome.

Gosto de passar adiante tudo o que aprendo. Não vou levar nada para o caixão. Então tenho de compartilhar o que sei com quem precisa, senão esse conhecimento morre comigo, conta ele.

* * *

Estamos acostumados a reconhecer a generosidade em gestos grandiosos como o de Bill Gates, fundador da Microsoft e um dos homens mais ricos do planeta, que doou vinte e nove bilhões de dólares à instituição de combate à pobreza que fundou com a mulher, Melinda.

Mas a história de Severino não deixa dúvida de que a generosidade pode ser praticada mesmo por quem tem pouco ou quase nada - e de várias formas, muito além de dar bens que sobram.

Alguns exemplos são: Antônio, um desembargador de justiça, que conta histórias para crianças num hospital. Élcio, que incentiva a solidariedade na empresa que lidera, e ajudou a fazer dela um dos melhores lugares do mundo para trabalhar.

Juliana e Marina, que fazem as pessoas rir sem pedir nada em troca.

Danielle, que aos sessenta e três anos, ajuda milhares de deficientes visuais a ter acesso a livros.

Todos podemos ser generosos, e se desejamos realmente um mundo melhor, começar pela benevolência nas pequenas coisas, nos gestos singelos, é fundamental.

Em O Livro dos Espíritos, encontramos a Espiritualidade respondendo que o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus é:

Benevolência para com todos, indulgência com as imperfeições alheias e perdão das ofensas.

Assim, percebemos que, no coração generoso, benevolente, está a essência da caridade como nos ensinou o Mestre.

* * *

Você já foi generoso hoje?

Proponha a você mesmo este desafio. Faça este convite. Pratique um ato, pequeno que seja, de generosidade, no dia de hoje e veja os resultados.

Não o resultado do reconhecimento - pois ele quase sempre não vem, e não deve ser nosso foco - mas o resultado em sua alma, em sua alegria interior.

Não há quem resista ao poder sedutor da benevolência. Sempre saímos diferentes, mais leves, mais felizes.

Dê do pouco que tem, mas dê. Não é necessário ter muito para dar. Dar-se é, certamente, muito mais valioso do que dar coisas.

Doe-se ao outro. Doe-se ao mundo. Doe sua vida ao amor e ganhe a felicidade tão sonhada!



Redação do Momento Espírita com base em artigo da revista
Sorria, v.1, de março/abril de 2008, e no item 886, de O livro dos
Espíritos, de Allan Kardec,
ed .Feb.
Em 30.05.2012.

Seguidores, visitantes, amigos, amigas, deixe seu comentário dizendo se gostou ou não de nossa postagem. Sua opinião é muito importante para Nós.  Ajude-nos a fazer um blog melhor. Obrigado. Abraxos.

2 comentários:

  1. Querido amigo, como estas?
    A generosidade é feita nos mais sublimes gestos, seja rico ou pobre,cabe a cada ser, com seu coração nobre.
    Vejo você amigo, nisso tudo,pois o que tu publica aqui é de uma genorisade virtual linda e rica.Pois mostra aos teus seguidores e leitores conteúdo útil e de muitos ensinamentos.
    Tenha um fim de semana com muita paz ao lado dos seus amiguinhos de 4 patas e família.
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Célia minha amiga querida,

      obrigado.
      Tento fazer algo bom com este blog.
      Beijos

      Excluir