Google+ Followers

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Scheilla


Corriam os anos, e como guerras e conflitos eram vividos por todos os Povos. Aflições e angústias assolavam a cidade de Berlim, na Alemanha, onde Scheilla já atuava como enfermeira.

Seu estilo simples e sua meiguice espontânea muito a ajudavam em sua profissão. Sua beleza, uma tez clara eo cabelo muito louro davam-lhe um ar de graça suave e seus olhos azuis-esverdeados apresentavam um brilho intenso, refletindo a grandeza de seu Espírito.

De estatura mediana e sempre com seu avental branco, lá estava Scheilla sempre preocupada em ajudar. Esquecia-se de si mesma e pensava somente na sua responsabilidade. Via primeiro a dor, depois a não ouvia as terríveis criatura.Scheilla Explosões partidas das armas destruidoras. Só ouvia a voz de alguém que gemia de frio e de dor.

Por esta razão, numa tarde em que os soldados se misturavam ao ódio gerado por almas sedentas de batalha, eis que tomba no solo de sua pátria uma jovem enfermeira, que, com coragem, atravessava os campos perigosos de batalha para socorrer e sanar os gritos que lhe vinham de encontro.

Pelo toque triste de um clarim, muitos viram cair junto aos sofridos soldados na Segunda Grande Guerra Mundial sentir o corpo da enfermeira, destemida e amiga.

Morria nos campos de luta Scheilla, aos 28 anos de idade, para surgir nas esferas superiores com o seu mesmo estilo e com mais aprimorado carinho e dedicação. Scheilla, a Enfermeira do Alto, descendo agora em outra condição.

Por volta de 1954, em Pedro Leopoldo, Scheilla surgiu muitas vezes em sessões de materialização, e seus contatos com eram freqüentes Chico Xavier.

Brilhante era uma luz que inundava toda a sala onde trazia os vários aparelhos materializados que fogem ao alcance da medicina terrena.

Utilizando-se do éter, primeiramente higienizava o recinto e as enfermidades, e depois deixava espargir seu perfume de jasmim e rosas que somente ela sabe fabricar. Quando muito cansado pelo grande número de atendimentos às criaturas necessitadas, Chico

Imediatamente era envolvido por seu perfume, que exalava espontaneamente. Muitos o sentiram ao se aproximar dele, em qualquer situação ou local.

Scheilla depositava vários ingredientes na água que as pessoas levavam até Uberaba e, em questão de segundos, Tornava-a tão doce que, ao beber, como pessoas que sentiam um só Espírito tão belo como Scheilla disto seria Capaz!

FONTE: 1. Francisco Cândido Xavier. 2. Centro Espírita Roseiral DE SHEILA (em Belo Horizonte).

Atualmente, a querida Mentora trabalha na Espiritualidade Juntamente com o Coordenador Geral da Colônia Espiritual Alvorada Nova, Cairbar Schutel. Esta Colônia foi planejada há muitos séculos por Aqueles que, sendo os Engenheiros Condutores de Jesus, conhecem a Terra do seu passado longínquo ao seu futuro distante. O Brasil nem mesmo existia na face do globo ea Alvorada Nova já estava fixando seus primeiros alicerces, Através dos Trabalhadores de Cristo que sabiam da destinação do nosso país como Pátria do Evangelho, TENDO Ciência da Importância da sua localização nas camadas Vibratórias ao redor do planeta .

Scheilla desenvolve um trabalho forte e muito amplo com dedicação ímpar, coordenando quatorze equipes cujos coordenadores formam com ela o Conselho da Casa de Repouso, o qual se reúne para Decidir Periodicamente as questões pertinentes a Casa.

Reuniões Após essas, Scheilla encaminha uma Cairbar Schutel o comunicado de suas atividades. Sua administração direta no Hospital foi estipulada há muito tempo pela Espiritualidade Superior.

A equipe de trabalho de Scheilla ligam-se muitos encarnados para uma consecução da cura espiritual da vida nos dois planos.

Quem é, na verdade, Scheilla? Quem será esse ser pleno de bondade que parece acompanhar uma milênios um grande grupo de espíritos altamente imperfeitos e endividados, buscando ajudá-los em sua evolução?

Certo dia, em mensagem psicografada, assim se expressou Cairbar Schutel a seu respeito: “Scheilla é, para mim, um verdadeiro exemplo de fé, de perseverança, de humildade e, sobretudo de muito amor. Quem dera pudéssemos todos nós ter uma pequenina parcela de seu infinito desejo de amar! “

Scheilla vivencia o amor em sua plenitude, fazendo da cura a sua verdadeira face.

Ama e trabalha diuturnamente pelo próximo. Outra não foi a recomendação de Jesus quando esteve entre nós! Outra não é a recomendação dos Espíritos que orientaram Allan Kardec na obra de Codificação! “

FONTE: GLASER, ABEL, ALVORADA NOVA. AUTOR ESPIRITUAL: Cairbar Schutel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário