Google+ Followers

terça-feira, 29 de maio de 2012

Plantas que Curam: DOURADINHA DO CAMPO - Waltheria douradinha


Descrição : Da família das Escrofulariáceas. Várias espécies existem desta planta, medicinais, quase todas elas. Esta é uma planta anual, herbácea, de caule quadrangular, medindo até 10 cm de altura, difusa e ramosíssima desde a base, seus ramos semi-prosptrados ou ascendentes, filiformes, glabros ou hirtos nos ângulos; suas folhas opostas, curto-pecioladas, distanciadas, obtusas subcordiformes ou arredondadas na base até 3cm de comprimento e 2 cm de largura, crenadas, serradas, crasso-crusta-ceas nas margens e suas flores axilares, mais geralmente solitárias, azul-purpúreo, com cálice 5-denteado e profundamente dividido, com os dentes triangulares e agudos; corola bilibiada, lábio superior côncavo e lábio inferior 3-lobado, ovário 2-lo-cular; o fruto é uma cápsula oblongo-elíptica, bivalve, membra-nosa, do tamanho de uma ervilha e inclusa no cálice. Muitas sementes elíptico-angulosas, ligeiramente rugosas, amareladas. É antibiliosa, diurético-purgativa, emeto-carártica e emenagoga, porém há uma suposição de que é venenosa. Em alguns países ocupa o primeiro lugar na Medicina caseira. Vive na África, na Ásia, Austrália e em quase todo o mundo. A espécie Waltheria communis, St. Hil., da família das Esterculiáceas, já é uma planta arbustiva, lenhosa, tomentosa ou hirsuta, pequena,até 40cm de altura, com flores hermafroditas, pequenas, bran-co-amareladas, dispostas na axila da folha superior, pétalas plenas e 4 ou 5 estames; seu fruto é uma cápsula glabra na base e hirta no ápice. É estimulante, anti-disentérica, sudorífica, emética e diurética. Muito recomendada contra o catarro brônquico e moléstias pulmonares, além de curar as cistites e as blenor-ragias. Uma outra espécie, W. douradinha St. Hil., da mesma família, é também planta lenhosa, de caule solitário e suas folhas e flores em infusão são úteis internamente nas afecções catarrais e externamente na lavagem de feridas, principalmente as de origem sifilítica. A homeopatia a emprega com o nome de Slemodia arenaria. Vegeta, de preferência nos lugares pedregosos.

Parte utilizada: folhas e cascas dos ramos.

Princípios Ativos: alcalóides, taninos, saponinas.

Propriedades medicinais: depurativa enérgica, diurética, emagrecedora, antialbuminúrica, cardiotônica, hipotensora, antiinflamatória, estimulante, emética, sudorífica, emoliente.

Indicações: reumatismo, ácido úrico, gota, estimulante, doenças da pele (erupções, coceiras, furúnculos, feridas, eczemas, úlceras externas), cólicas renais, abaixar a pressão arterial, furunculose, afecções dos rins e bexiga, cistite crônica, dificuldades em urinar, desenteria, catarro crônico, afecções pulmonares, blemorragia, tosse, bronquite, doenças sifilíticas, amolecer tumores.

Contra-indicações/cuidados: Evitar seu uso em paciêntes com distúrbios da coagulacaosanguinea.

Efeitos colaterais: Aumento do número de evacuações ou diarréia pastosa nos intestinos com tendância a diarreia.

Modo de usar:
- infusão de 20 g de folhas e casca dos ramos em um litro de água: uso externo e interno. Tomar 4 a 5 xícaras (tamanho chá) ao dia;
- tintura da casca: tônico cardíaco.


Nenhum comentário:

Postar um comentário