Google+ Followers

terça-feira, 15 de junho de 2010

Origem dos Cachorros


Uma pesquisa, publicada pela revista Science, sugere que a maioria dos cachorros é descendente de apenas três fêmeas que foram domesticadas 15 mil anos atrás na região onde fica hoje a China.

Essas fêmeas, batizadas de "Evas" do mundo cão, teriam sido lobas trazidas para o convívio humano.

O estudo mostra ainda que a grande variedade atual de raças caninas é resultado de um longo e intenso processo de cruzamento e não de uma diferença genética original entre os cães.

Peter Savolainen, do Royal Institute of Technology, em Estocolmo, na Suécia, coordenou o estudo, feito com amostras de DNA de cães de todas as partes do mundo.

Etiqueta genética

Os cientistas descobriram que os 95% dos cachorros compartilham dos mesmos genes. A maior variedade genética foi encontrada da Ásia, o que sugere que a domesticação na região vem acontecendo há mais tempo.

"A maioria das teorias sugeria que os cães haviam surgido no Oriente Médio, com base em algumas descobertas arqueológicas e no fato de que outros animais começaram a ser domesticados lá", disse Savolainen.

Para descobrir a origem genética dos cães, os pesquisadores estudaram as seqüências genéticas do DNA mitocondrial dos cachorros.

O DNA mitocondrial é encontrado nas mitocôndrias, que são as usinas de energia das células.

Esse material genético não se mistura durante a fecundação e é transmitido fielmente da mãe para os filhos.

Por isso, serve como uma espécie de "etiqueta" genética dos descendentes de uma mesma fêmea.

Imigrantes

Com o objetivo de descobrir onde os cães começaram a ser domesticados, o grupo de pesquisadores se dividiu em três.

Um dos grupos se concentrou nos cães do chamado Velho Mundo e acabaram derrubando uma tese comum que dizia que os cachorros começaram a ser domesticados no Oriente Médio.

Um segundo grupo estudou cachorros do Novo Mundo e descobriu que os animais que vivem no continente americano tinham origem no Leste da Ásia.

"Nós descobrimos que eles foram trazidos por imigrantes", disse Carles Vila, cientista da Universidade de Uppsala, na Suécia, e integrante do grupo de pesquisadores.

O cientista disse também que não se sabe como nem por que o homem decidiu domesticar cachorros, mas a velocidade com que os cães se multiplicaram e deram origem a diferentes raças indica que os animais desempenharam um papel importante na sociedade humana.

"Eu imagino que os cachorros fossem vistos como uma vantagem, já que eram capazes de ajudar o homem a caçar. Eles podem até ter facilitado a colonização do Novo Mundo", especulou Carles Vila.

Leia também: Cães podem farejar alguns tipos de câncer

Melhor amigo

Um outro estudo, feito por pesquisadores da Universidade de Harvard e pelo Wolf Hollow Wolf Sanctuary ambos nos Estados Unidos, descobriu que os cães são os animais que mais entendem o homem.

O estudo comparou a reação de lobos e chimpanzés –os parentes mais próximos do homem– e descobriu que mesmo os filhotes de cachorro interpretam muito melhor os pedidos e o comportamento do homem.

Os animais tinham que descobrir em que balde havia comida. Os baldes estavam hermeticamente fechados para impedir que os cães levassem vantagem pelo olfato mais desenvolvido.

Os pesquisadores podiam apenas apontar e olhar para o balde com comida.

Os cachorros foram muito mais rápidos e precisos do que os outros dois animais.

O fato de que mesmo os filhotes tiveram melhor desempenho do que lobos e chimpanzés adultos mostra que essa habilidade é inata e não aprendida ao longo da vida.

"Durante a domesticação, deve ter havido alguma mudança na habilidade cognitiva dos cachorros que permitiu que eles tivessem vantagem na hora de interpretar situações sociais", disse Brian Hare, pesquisador de Harvard.

Nenhum comentário:

Postar um comentário