Google+ Followers

terça-feira, 1 de junho de 2010

Japão utiliza eutanásia em cães de rua

Mais de 70% dos pets abandonados morrem por ano em canis do arquipélago.

Animais são colocados em uma câmara de gás apelidada ironicamente de "caixa dos sonhos"
Crédito: Flickr / CC – Brett McBain

A economia japonesa sofreu um forte abalo no final de 2008, que fez as vendas despencarem, ao mesmo tempo em que elevou o número de desempregados, falências e concordatas. E apesar de toda essa turbulência, um segmento parece não ter sido afetado pela recessão: o de animais de estimação.

Segundo dados da Associação de Alimentos para Pets do Japão, em 2008, 26,8 milhões de pets viviam no arquipélago, o que representa um aumento de 5,1% em relação a 2007. E todo o segmento é impulsionado pelo consumo de roupas, alimentos, seguros, hotéis, e tantas outras invenções desenvolvidas para os bichos.

Mas nem tudo são flores, apesar do cenário aparentemente favorável para os pets. Isso porque, à exemplo de muitos países, no Japão, os cães de raça são os mais desejados. Assim, os cães SRD (sem raça definida) sofrem com o desprezo e abandono, abarrotando cada vez mais os canis municipais.

E ao invés de estimular a adoção desses animais, as prefeituras recorrem à eutanásia, método muito utilizado no Brasil até abril de 2008, quando o então governador José Serra sancionou a lei que proíbe o ato em animais saudáveis nos 645 municípios do Estado de São Paulo. Vale lembrar que alguns Estados brasileiros ainda praticam a eutanásia, através da câmara de gás ou de descompressão.
Morte silenciosa

De acordo com o site da ONG inglesa Dogs Trust, de 2007 a 2009, o número de cachorros que foram levados à eutanásia na Grã-Bretanha era de 6 a 9%. Já no Japão, segundo a organização de bem-estar animal ALIVE, infelizmente, o número chegou a 70%.

E o resultado pode ser pior, dependendo da província analisada, como Tokushima, por exemplo. A prefeitura local informou que apenas em 2008, mais de 88% dos cães abandonados no Centro de Bem-Estar Animal foram mortos.

Segundo apuração da Reuters e relatos de voluntários e funcionários de ONGs, os motivos do abandono são vários. A maioria é descartada pelo próprio dono, enquanto outros nasceram nas ruas, filhos de vira-latas. Há ainda os que são comprados para a temporada de caça, e em seguida, com o término do período, são deixados na rua.

Cabe então à prefeitura recolhê-los, dando a eles apenas sete dias de vida, antes de irem para a "caixa dos sonhos", eufemismo para a câmara de gás (dióxido de carbono), local em que os bichinhos são colocados para morrer.

4 comentários:

  1. Perfeita medida para os animais de rua.Aqui no Brasil só os galos de briga são sacrificados , quando apreendidos em rinhas.Os galistas tratam seus galos como atletas, a lei e os protetores os matam,nenhum defensor dos direitos dos animais se pronunciam , mas se alguém esquecer um cão dentro de um veículo ou atropelar ,esses defensores cobram multa e tomam outras providencias para arranjarem dinheiro do desafortunado que cometeu este ato involuntário.Os protetores deveriam pagar o conserto do veículo atropelador ou os que eles arrombam para retirar um animal esquecido.Acabaria com essa safadeza se os protetores tivessem o direito de receber quando, alguém maltratasse um animal e a obrigação de pagar, quando um animal danificasse um veículo ou pessoa por ataque de cães, em caso de morte, a associação protetora dos animais estaria obrigada a pagar pensão vitalícia a quem de direito.NINGUÉM QUERIA PROTEGER MAIS ANIMAIS, SERIA ECONOMICAMENTE INVIÁVEL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se as pessoas tivessem mais responsabilidades Rinha, eu tenho certeza que não haveria necessidade de eutanásia...

      Excluir
    2. rinha, os animais que atacam são dessa maneira por traumas causados por outros animais que se consideram racionais que somos nós os humanos. alguns de nós até são racionais, como o escritor desse blog, mas como eu disse outros não, como voce. Os defençores de animais nao estao se emportando com o preço que é salvar a vida de algum animal, só querem sentir que pelo menos um deles está salvo de pessoas como voce, que PENSAO ser mais importantes do que eles.

      Excluir
    3. Natalia , voce esta equivocada em seu comentario, ao dizer que um cao tem o mesmo valor que um ser humano ! Se todos os protetores de animais, desde o cao ate as baleias e milhares de outroa animais . Dirigissem seu tempo e seu esforço para os seres humanos, nao teriamos crianças morrendo de fome na africa na somalia e até aqui no brasil ! Devemos aprender a cuidar de nos mesmos antes de pensarmos em outras especies ! Tem gente que faz festa de aniversario com bolo e salgadinho pro cachorro mas nao da um prato de comida pra um morador de rua ! Quando aprendermos a nos valorizar e nos cuidar nao teremos pessoas com seu pensamento e o pensamento do Rinha ! Ambos muito prejudiciais a sociedade humana !

      Excluir