Google+ Followers

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Plantas que Curam: CARDO SANTO - Cnicus benedictus



Descrição : Da família das asteraceaes, também conhecida como cardo bento. Herbácea anual, rasteira de caule anguloso com folhas esbranquiçadas, compridas, espinhosas e dentadas. Suas flores são branco-amareladas protegidas por brácteas. Também conhecido como cardo-cardador e cardo-bento. Originária da Índia. A planta quando ferida em qualquer de seus órgãos elimina um latex amarelo, que escurece à medida que seca. o cardo-santo é uma Composta, que atinge 30 a 40cm de altura. Possui hastes caneladas, de tom vermelho, que partem de uma raiz branca fibrosa, metida verticalmente na terra. As flores são amarelas, dispostas em carimbo, as folhas são alternas, espinhosas. Os frutos são fracamente azedos e toda a planta possui gosto acentuadamente amargo. O cardo-santo foi classificado entre os tônicos amargos, sendo o seu emprego aconselhado nos casos de falta de apetite, digestões difíceis. Ê ainda empregado como sudorífero e diurético. O seu uso pode ser indicado sob a forma de infusão com 15 a 50g num quilograma de aguardente, com o suco espremido das folhas, que se toma na dose diária de lOOg.

Partes utilizadas : Folhas e caules.

Habitat: Nativa do Norte da África, Sul da Europa e Ásia ocidental.

História: O cardo-santo foi cultivado extensamente na Europa durante a Idade Media. Seu uso medicinal foi mencionado na pega Muito Barulho por Nada de Shakespeare e o cardo-santo também foi muito usado nos extratos herbarios da época. 0 cardo-santo foi provavelmente útil no tratamento da peste negra; porem, sua utilização principal era para queixas digestivas, gota, febre e dor de cabeça. O cardo-santo também e usado para dar sabor ao licor Beneditino e e geral-mente reconhecido como seguro para consume em bebidas alcoólicas. Faz parte da farmacopeia homeopática; Foi aprovado pela German Comission E para o tratamento da dispepsia e da falta de apetite.

Propriedades : É tônico estomacal, digestivo e aperitivo.
Muito conhecido pelas suas propriedades antissépticas; muito usado para uso externo, para lavar feridas e inflamações da pele.

Indicações : Favorece as funções do fígado e do pâncreas.

Principios Ativos : Lactonas, tanino, mucilagens e óleo essencial.

Modo de usar : infusão - 2 colheres de sopa de folhas e sumidades florais, frescas e picadas em 1 litro de água. No caso de ervas secas usar a metade. Loção 6 colheres de sopa de folhas e sumidades florais em 1 litro de água em ebulição.

Toxicologia : Doses altas podem provocar queimaduras na boca e esôfago e diarréias violentas. Não é recomendado para crianças, não usar em pessoas com problemas de rins e gastrites.

Posologia: Tradicionalmente, uma dose de 2g de planta fresca {1 colher de sobremesa para cada xícara de água) em infuso, em uso interno ate 3 vezes ao dia. Interação medicamentosa: Nenhuma interação medicamentosa com o cardo-santo foi documentada.

Farmacologia: E uma das 8 ervas na formulação do remédio alternativo contra o câncer, Flor-Essence. A cnicina e citotoxica as células leucemicas, enquanto os glicosideos sesquitepenos, que não contenham um resíduo de ester, exibem pouca atividade citotoxica. Os mesmos requerimentos estruturais aplicam-se a atividade anti-bateriana. A cnicina também mostrou ser o com-
posto sequiterpenico mais ativo contra vários fungos em outro estudo; Outra atividade farmacologicas do cardo-santo inclui o bloqueio da gonadotropina. A cnicina foi mostrada ter propriedades antiinflamatorias em ratos em um teste de edema da pata. Não há nenhum ensaio clínico existente suporta o uso do cardo-santo para qualquer uma dessas indicações; A substância cnicina e fortemente irritante quando injetada por via intraperitoneal. Por causa deste efeito irritante, o cardo-santo e contra indicado com a presença de ulceras gástricas ou em condições inflamatórias intestinal como a doença de Crohn.

Nenhum comentário:

Postar um comentário