Google+ Followers

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Plantas que Curam: CARDO MARIANO - Silybum marianum


Descrição : Planta da família das Asteraceae. Também conhecida como cardo-de-santa-maria, cardo-branco, cardo-de-nossa-senhora, cardo-leiteiro, cardo-mariano, cardo-santo, serralha-de-folhas-pintadas. Folh de folhas verdes escuras. O cardo-mariano e uma planta anual ou bienal, que cresce entre 1,5 e 3 m de altura e tem folhas grandes e espinho-sas. Quando quebradas, as folhas e os caules exudam uma seiva leitosa. As flores vermelho-purpura possuem bordas com espinhas afiadas. As frutas sao brilhantes, pintadas, pretas ou cinzenta que sao frequentemente re-feridas como sementes. Estas frutas compoe a parte do cardo-mariano, que junto com seus pelos prateados, caem prontamente.

Habitat: Nativo da Europa e da Asia mas foi naturalizado nas Americas do Norte e do Sul.
Historia: O cardo-mariano tem sido usado medicinalmente desde o seculo 4 a.C. Seu uso no tratamento de doengas hepatobiliares data do seculo 18, e seu uso como um hepatoprotetor e mencionado em referencias historicas da Grecia antiga; Plinio, o velho (23 a 79 d.C.), anotou que o suco da planta era excelente para "expelir a bile." Nicholas Culpepper, herbalista ingles do seculo 17, observou que o cardo-mariano era util contra a ictericia e para remover obstrugoes do figado e do bago; O sistema medico eclectico (seculos 19 ao 20) usava o cardo-mariano para as varizes, a dificuldade menstrual, e congestao no figado, no bago e nos rins; Na homeopatia, a tintura das sementes tem sido usada para tratar desordens do figado, ictericia, calculos biliares, peritonite, hemorragia, bronquite e varizes. As sementes torradas tambem eram usadas como um substitute para o cafe.

Princípios Ativos: açúcares, silimarina (silibina, silicristina, silidianina), flavonóides (taxifolina, quercetina, kaempferol, apigenina, naringina), histamina, óleo essencial, óleos fixos (ácido linoléico, ácido oléico, ácido palmítico, esteróis), mucilagem, proteínas, saponinas, saponinas.

Propriedades medicinais: anti-séptico, aperiente, anticolesterolêmica, antiinflamatória, antioxidante, colagoga, colerética, depurativa, digestiva, diurética, estomacal, hepatoprotetora, hipertensora, má digestão, regeneradora, tônico amargo.

Indicações: cálculos biliares, febre, distúrbios cardiovasculares e hepáticos, doenças do fígado induzidas por álcool, drogas, e toxinas, cirrose e inflamações, icterícia. A silimarina (principal princípio ativo) e eficaz na hipercolesterolemia (elevadas taxas de colesterol sérico) e como protetor contra fotocarcinogênese (câncer de pele). Há muito é usado para curar envenenamento por cogumelos e evitar danos causado spor poluentes, pelo lixo agrícula e inustrial e pela água não tratada.

Parte utilizada: folhas, flores, raízes, frutos.

Contra-indicações/cuidados: em doses excessivas, o chá pode causar queimaduras nas mucosas das vias digestivas, vômitos e diarréias. Não se deve utilizar quando de problemas renais, úlcera, gastrite e pessoas hipertensas. Não é recomendado o uso por crianças. As sementes só podem ser utilizadas segundo prescrição médica. Pode acumular muito nitrato nas folhas, podendo então ser tóxica

Efeitos colaterais: as sementes não devem ser ingeridas em grandes quantidades. Pode elevar a pressão arterial. Seus efeitos colaterais são: náuseas, problemas estomacais e diarréias leves em aproximadamente 1% dos usuários.

Modo de usar:

Chá das folhas: ingerida 8 dias antes de uma viagem, evita o enjôo;
Tintura das sementes: moléstias da uretra, do útero e hemorróidas;
decocção: ferver por 5 minutos, 2 colheres das de sopa de folhas em ½ litro de água. Tomar em pequenos goles. Favorece a digestão de alimentos ricos em gordura.
Vinho: macerar 20g de folha e 5g de cravo-da-índia em 1 litro de vinho branco, durante 5 dias; Coar e tomar 1 cálice após as refeições;
Folhas novas são utilizadas como saladas e as raízes e os capítulos podem ser consumidos após cozidos em água;
decocção de 20 g de aquênios em um litro de água, ferver por 8 minutos, tomar durante o dia;
Ingestão dos frutos moídos;
Mastigação esporádica de frutos inteiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário