Google+ Followers

domingo, 1 de maio de 2011

Animais sobreviventes no Japão enfrentam vida difícil pós-tsunami

Por Giles Hewitt da AFP (tradução Vanessa Perez - da Redação)

Mais histórias emergem do Japão sobre valentes resgates e o cuidado contínuo dos animais sobreviventes do tsunami. Em uma luta contra as probabilidades, por vezes assustadora, dedicados voluntários fazem a diferença, resgatando animais de estimação perdidos e certificando-se que receberão cuidados médicos, comida e amor esperando que eles se reúnam com seus tutores. Abaixo, a última notícia de Sendai.

Diversos tutores deixaram seus animais para trás quando os alertas de tsunami soaram. 
Foto: Global Animal

Fome, dor e separados de seus tutores que estão mortos ou em centros de evacuação, centenas de animais estão lutando para sobreviver na costa nordeste do Japão, devastada pelo tsunami.

Entre as equipes de resgate, muitos enviados de todo o mundo à procura de sobreviventes e corpos, após o pior desastre natural do Japão em quase um século, alguns grupos de resgate especializados em animais também estão trabalhando.

Nos dias que seguiram ao tsunami de 11 de março, que dizimou dezenas de prósperas cidades costeiras,as perspectivas pareciam sombrias. “Nas áreas mais atingidas, não vimos qualquer vida animal”, disse Ashley Fruno, da PETA.

“Nós vimos alguma pegadas na lama em um lugar, mas elas não levavam a lugar algum, e nós não conseguimos encontrar animais nas proximidades.”

Lenta mas seguramente, no entanto, animais abandonados começaram a surgir, muitas vezes de casas danificadas, de onde eles tinham conseguido superar a força destrutiva do tsunami.

Muitos tutores deixaram seus cães e gatos, quando o alerta de tsunami tocou, nunca imaginando que a onda seria tão grande e poderosa como ela acabou sendo.

Os animais foram deixados à própria sorte em um ambiente hostil, sem comida ou água doce.

A Japan Earthquake Animal Rescue and Support (JEARS), uma união de grupos de defesa dos animais,formados às pressas, passou as últimas duas semanas procurando o que restou das cidades mais atingidas do litoral.

As equipes, que inclui veterinários voluntários, fornecem comida e tratamento aos animais feridos e tentam encontrar abrigos temporários para os que perderam seus tutores.

Três chihuahuas em um sofá no Green Animal Hospital, que se tornou um abrigo temporário.
Foto: Global Animal

Eles também visitam centros de evacuação onde as pessoas que escaparam do tsunami com seus animais, estão tendo problemas para manter-se junto a eles em condições difíceis, no ambiente apertado onde os animais não são sempre bem vindos.

“Houve alguns problemas nos centros, entre os que têm animais de estimação e os que não têm”, disse o veterinário Kazumasu Sasaki.

“Algumas pessoas têm alergias a animais, e eles se queixam de que os cães estão latindo e brigando. É compreensível. ”

Houve casos de pessoas que optaram por permanecer em suas casas em ruínas, porque os abrigos se recusaram a abrigar os animais de estimação, e a coordenadora do JEARS, Isabella Gallaon-Aoki, disse que é difícil persuadir os abrigos de que os animais estariam melhor em um abrigo temporário.

“As pessoas aqui veem os animais como membros da família. Para alguns, depois de tudo que aconteceu, seu animal é a única coisa que lhes restam – a única que lhes traz conforto “, disse ela.

Timo Takazawa, que sobreviveu ao tsunami, juntamente com seu marido, se recusou a abandonar seu cão, Momo, apesar das reclamações de outros refugiados em abrigos lotados na cidade de Sendai.
“Quando nós escapamos do tsunami, não levamos nada, apenas Momo”, disse Takazawa, 65.

“Eu não posso imaginar não estar aqui todos juntos. Se alguém me disser que eu não poderia manter Momo aqui, nós sairíamos com ela, iríamos para outro lugar. ”

Os animais têm destaque em uma série de histórias de sobrevivência incomuns em tsunamis, um dos mais notáveis foi um golfinho resgatado de um campo de arroz depois de ter sido arrastado por dois quilômetros (1,2 milhas) para dentro.

Em seguida, houve o caso da ilha de Tashirojima na Província de Miyagi, conhecida localmente como “Ilha do Gato”, pela sua população de felinos que ultrapassa largamente os 100, ou assim, os residentes humanos.
A pequena ilha foi engolida por um tsunami -, mas uma equipe de resgate que voou de helicóptero informou que ambos os gatos, como as pessoas, saíram ilesas.

Em Sendai, o Sr. Kamata tentou retornar para buscar seu cão – um grande Akita grande – após advertência dos vizinhos sobre a onda que viria, mas encontrou seu caminho bloqueado pelas águas revoltas.

“Eu pensei que não haveria como ele ter sobrevivido. Foi muito triste “, disse Kamata.

Mas, mais tarde naquela noite, como ele estava abrigado em um centro para refugiados com centenas de outros moradores, Kamata ouviu falar que um cão tinha sido encontrado.

“Era ele. Ele tinha nadado e me encontrou. Ele havia ingerido uma grande quantidade de água do mar e não parava de vomitar e eu pensei que ia perdê-lo de qualquer maneira, mas ele superou completamente, “disse Kamata.

Apesar das reconfortantes histórias de sobrevivência, a PETA disse que grupos do bem-estar animal estarão ocupados em áreas atingidas pelo tsunami por algum tempo ainda

“A recuperação deste desastre vai demorar meses, se não anos”, disse ela.

“As pessoas nas áreas mais afetadas continuarão precisando de alimentos para animais e material veterinário, assim como os abrigos de animais, que também irão precisar manter os animais abrigados até que seus tutores desabrigados sejam capazes de encontrar um lugar para viver.”

Diante de todo este pesadelo, uma cúpula no Japão, se concentrará em ajudar animais, desenvolvendo procedimentos e protocolos para monitorar, evacuar e tratar os animais contaminados pela radiação.

A IFAW (International Fund for Animal Welfare) irá presidir a cúpula em Maio 2-3. Os tópicos incluem a exposição à radiação, fisiologia animal, comportamento animal, resgate de animais e técnicas de evacuação, a descontaminação animal, abrigo e criação de animais, habitat de vida selvagem e de reabilitação e a segurança humana.

A cúpula é em resposta ao terremoto e tsunami subsequente que atingiu o Japão em 11 de Março, causando danos ao Fukushima Daiichi Nuclear Power Plant. Depois de a radiação ter sido detectada fora da fábrica, o governo do Japão declarou uma evacuação obrigatória dos residentes dentro desta área.
Um grande número de animais, incluindo gado, cavalos e animais de companhia, foram deixados para trás, disse Dick Green, gerente de desastres da IFAW.

A IFAW realizou uma pesquisa feita nos Estados Unidos, que mostrou que mais de 30 por cento dos evacuados tentariam entrar novamente na zona de desastre para salvar seu animal de estimação.

“Ao retirar os animais, que podem ser facilmente descontaminados, da zona de evacuação e entregando aos seus tutores, haverá uma redução significativa no número de pessoas tentando voltar para a zona de perigo, colocando suas próprias vidas em risco”, Green afirmou

Embora as recomendações estejam sendo desenvolvidas, um plano de alívio imediato dos animais tem sido solicitado às autoridades japonesas, de acordo com a IFAW. Isso inclui a criação de estações de alimentação nas zonas de evacuação, oferecendo treinamento às equipes de veterinários sobre descontaminação, preparo e posicionamento de equipamento de transporte em áreas estratégicas e preparo de abrigos para animais evacuados.

A comissão da cúpula inclui representantes do Japanese Ministry of Environment , United States Department of Agriculture: APHIS Animal Care and Wildlife Services, United States Army Corps Veterinary, veterinários e profissionais de toxicologia, acadêmicos e a IFAW.

Fonte: http://www.anda.jor.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário