Google+ Followers

sábado, 13 de abril de 2013

Colhendo benefícios da dor


Quando o sofrimento chega, fustigando a alma; quando a dor se apresenta como tempestade impiedosa, destruindo sonhos e planos, normalmente reagimos muito mal.

Deixamos que a revolta nos abrace e externamos em palavras e atos o que nos vai n´alma por ver destroçados nossos sonhos.

Alguns de nós descambamos para o desespero insano. Deixamos de viver, abandonamos emprego, amigos... Isolamo-nos em nós mesmos, seguros de que não há, no mundo, sofrimento que se equipare ao que nos dilacera a alma.

No entanto, para algumas pessoas, o sofrimento age de forma diversa. Eles buscam soluções, não se permitindo considerar vencidos, enquanto não forem esgotadas todas as possibilidades.

Seja o problema a enfermidade, o abandono, o desemprego, eles prosseguem em frente.

E, além de não se entregarem ao desespero, encontram forças para auxiliar outros que descobrem em igual sofrimento.

Na sua dor, tornam-se mais sensíveis às dores alheias, aguçam os sentimentos da alma e ouvem os soluços de quem padece tanto ou mais que eles próprios.

Assim foi com o casal Beira, cujo filho, aos dezessete meses, foi diagnosticado com um tumor cerebral. Dali em diante foram cirurgias e quimioterapia se sucedendo.

Aos dez anos, Francesco passou a andar em cadeira de rodas, perdeu a fala e precisou de uma traqueostomia para respirar.

Os dias, as semanas e os meses se sucediam entre idas ao hospital e alguns retornos para casa.

Então os pais decidiram mantê-lo em casa, montando ali todo o aparato de uma Unidade de Terapia Intensiva – UTI. Desejavam que ele tivesse paz.

Francesco foi envolvido pelo amor da família: as duas irmãs, o pai, a mãe.

Partiu tranquilo, num domingo, enquanto seu pai e uma das irmãs seguravam cada uma das suas mãos. Os batimentos cardíacos começaram a cair lentamente, até cessarem.

Algumas lágrimas rolaram dos olhos do pai mas, olhando a serenidade do rosto do filho, orou.

* * *

A morte é sempre representação de uma separação, por breve que seja. Por isso mesmo, dolorida.

Dizem os médicos que mais difícil do que a de um adulto é aceitar a morte de uma criança. Ela é promessa e a perspectiva é que cresça, se desenvolva, se torne jovem e adulta.

Pois os pais de Francesco, após a sua morte e em sua homenagem, transformaram sua dor em benefício.

Associando-se a uma ONG, que atende crianças com câncer, eles optaram por fundar em São Paulo um Hospice, um abrigo pediátrico de cuidados paliativos.

Será o primeiro do país, nessa proposta da área médica de atenuar o sofrimento e aumentar a qualidade de vida de pacientes desenganados.

Boa parte dos recursos para essa obra foram bancados pelos pais de Francesco que doaram, após a morte dele, os recursos da poupança do filho.

Conforme falou o pai, foi um jeito de dar sentido à experiência vivida.

* * *

Sim, há muitas formas de sofrer. Bem sofrer é passar pela experiência dolorosa e ainda encontrar forças para minorar alheias dores.

Pensemos nisso.



Redação do Momento Espírita, com base na reportagem A mais difícil
decisão, de Maria Laura Neves, da revista Cláudia, ed. Abril.
Em 3.4.2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário