Google+ Followers

sábado, 14 de julho de 2012

Estrela esperança


Contam as lendas que, quando foi concluída a Criação, as estrelas vieram visitar a Terra.

A estrela amarela, simbolizando as riquezas, visitou todos os recantos e voltou ao veludo escuro da noite, tomando seu lugar no firmamento.

A estrela azul, simbolizando os rios e os mares, igualmente deu um giro em todas as profundezas e retornou.

As demais estrelas, simbolizando o restante da natureza, fizeram o mesmo, e todas se engastaram nos lugares definitivos onde deveriam permanecer para sempre.

Todas voltaram, menos uma, por discreta determinação do Rei do firmamento.

E, quando perceberam a sua ausência, os demais astros buscaram-na aflitos, de longe. Então perceberam, entre os sofredores e necessitados do mundo, a sua luz faiscando em tom verde.

Por isso, é que a esperança nunca abandona a vida.

Através de uma lenda, os poetas encontraram uma maneira de falar da esperança.

Quando a noite escura do desalento invadir a nossa vida, lembremos da suave luz da esperança que não nos deixa a sós e recobremos o passo, no compasso da harmonia.

Quando sentirmos os ferimentos da cruz de espinhos a vergastar nossos ombros, permitamos que o brilho inapagável da esperança nos console.

Se o véu escuro da morte se estender sobre os olhos físicos dos seres amados, lembremos que a Imortalidade, mensageira da esperança, vem lhes descortinar horizontes novos, no além-túmulo.

Ainda que os dias de sofrimento pareçam não ter fim...

Ainda que a enfermidade anuncie que veio para ficar...

Ainda que os amigos abandonem os nossos passos, deixando-nos caminhar a sós...

Ainda que tenhamos a impressão de que o Pai Divino nos esqueceu, lembremos da sublime lâmpada da esperança e permitamos que ela ilumine a nossa alma, plenificando-a com suave claridade, anunciando um novo alvorecer.

Lembremos que, por mais escura e longa seja a noite, o sol sempre volta a brilhar e, com ele, novas oportunidades de construirmos a nossa felicidade.

Para tanto, devemos permitir que a esperança siga conosco, como portadora da chave que abre a aurora e vence o crepúsculo.

* * *

A esperança se apresenta em nossas vidas de várias maneiras.

Pode estar presente num sorriso...

Num olhar de ternura...

Num aperto de mão...

Num afago...

Podemos encontrá-la ainda, na suave brisa da manhã de sol...

Na serenidade das gotas de chuva, caindo devagar...

Ou no cinza escuro da paisagem crestada pela neve, a anunciar que, em breves dias, tudo estará reverdecido novamente, sob os diversos matizes de cores e perfumes, mostrando que a esperança está presente, e jamais nos abandona.

Redação do Momento Espírita com base no cap. IX
do livro Estesia, pelo Espírito Rabindranath Tagore,
psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 04.06.2010.

Seguidores, visitantes, amigos, amigas, deixe seu comentário dizendo se gostou ou não de nossa postagem. Sua opinião é muito importante para Nós.  Ajude-nos a fazer um blog melhor. Obrigado. Abraxos.

2 comentários:

  1. Gente! Que texto e que história, lindos! Meus amigos, não fiquem muito tempo fora.... Vamos ficar com saudades! Excelente final de semana! Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir