Google+ Followers

terça-feira, 30 de abril de 2013

Terremoto em Aichi - Nagoya - 30/04/2012


Houve um pequeno terremoto em Aichi, Japão, às 10:07 hs do dia 30/04/2012.
Aichi Oeste (35,1 graus de latitude norte, 137,3 graus de longitude leste) no epicentro,
Estima-se que a profundidade do epicentro 3.4 escala de cerca de 40km, o terremoto (magnitude).


平成25年04月30日10時10分 気象庁発表
30日10時07分頃地震がありました。
震源地は愛知県西部(北緯35.1度、東経137.3度)で、
震源の深さは約40km、地震の規模(マグニチュード)は3.4と推定されます。
各地の震度は次の通りです。
なお、*印は気象庁以外の震度観測点についての情報です。
 

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Fé e entendimento


Saulo de Tarso, hebreu de tradição e formação religiosa estruturada nas mais célebres escolas de sua época, ganharia a história como Paulo, o Apóstolo dos gentios.

Foi a partir dele que se fundaram inúmeros núcleos cristãos nos entornos do Mediterrâneo, fruto de seu esforço e viagens incansáveis.

Porém, seus primeiros contatos com a mensagem da Boa Nova não foram amigáveis. Em sua fé, acreditava que os seguidores do Nazareno seriam uma grande ameaça para o judaísmo e, por isso, deveriam ser reprimidos em todas as suas expressões.

Nesse arroubo e certeza, foi ter com seu tutor, o sábio rabino Gamaliel, buscando orientação de como agir.

Com a sabedoria que os anos permitem, o velho Gamaliel expressa de uma forma simples, porém profunda, seu entendimento a respeito das coisas de Deus.

Quanto ao movimento nascente, refletia o ancião, se ele for de Deus, nada o poderá deter. E se não for, não vale a pena combatê-lo porque ele se diluirá por si mesmo.

* * *

Muitos acontecimentos em nossa vida se sucedem assim. Vemos situações acontecerem, fatos se desenrolarem e não nos conformamos com o rumo que as coisas tomam.

Algumas vezes é a situação familiar desse ou daquele ente querido. Vários são os momentos em que isso ocorre em nosso ambiente profissional. E na vida em sociedade são inúmeros exemplos.

Ficamos revoltados algumas vezes, indignados, tantas outras, sem saber agir em incontáveis momentos.

Tentamos de alguma maneira mudar o curso de uma situação. Pensamos várias estratégias, usamos de inúmeros recursos para colocar em ação nosso plano para mudar o rumo das coisas.

E, às vezes, esquecemos que acima de nós está Deus a cuidar de tudo e prover a todos nós do que nos é preciso física e moralmente.

Assim, é lícito e necessário que nossa ação se faça, frente às situações irregulares, aos descalabros do mundo, às injustiças e aos erros.

Porém, muitas vezes nos sentimos impotentes e frustrados, porque os resultados não são como esperávamos.

Empenhamo-nos e, aparentemente, nada muda. Damos o nosso melhor e tudo permanece na mesma situação. Envidamos contínuos esforços e nada acontece.

Nesses momentos, o conselho do sábio Gamaliel deve nos vir à mente, a fim de fortalecer nossa fé.

Se for de Deus, nada poderá deter, e se não for, por si só se diluirá.

Não é esse um convite ao inconformismo, nem tampouco se trata de indiferença ou covardia moral.

É apenas suprema confiança em Deus.

É a reflexão que dá os limites de nosso agir para, a partir desses limites, termos o entendimento que a fé nos propicia, esperando as respostas da vida e suas lições.

Tudo o que nos sucede é experiência para amadurecimento e aprendizado.

Portanto, o Senhor da vida nos mostrará os melhores caminhos e as lições de entendimento e lucidez a respeito da vida produzirão marcas indeléveis em nosso coração.



Redação do Momento Espírita.
Em 13.4.2013.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Nova tecnologia pode aposentar as tradicionais senhas


As tradicionais senhas, que servem para comprovar e tornar nossa identidade na vida digital mais segura, podem estar com seus dias contados, tudo porque pesquisadores da Universidade de Berkeley criaram um tipo de tecnologia que pode aposentar tais senhas, tornando o funcionamento do cérebro de uma pessoa em algo similar a uma identidade biométrica, como a impressão digital e a íris.

Os padrões de ondas produzidas pelo funcionamento do cérebro de uma pessoa são únicos, assim como diversas características físicas dos nossos corpos, e o que os cientistas fizeram foi adaptar o uso desse tipo de assinatura neural, criando um sistema que usa os padrões gerados pela mente do usuário como critério na hora de dar acesso a algum recurso, ou seja, o pensamento acaba virando uma senha.

Para funcionar, o sistema usa um tipo de headset, um aparelho criado em Berkeley que conta com um eletrodo, que monitora os padrões das ondas cerebrais em tempo real, que nada mais é do que um aparelho de eletroencéfalograma, só que bem mais simples do que os usados em centros de diagnóstico de grandes hospitais. Através do Bluetooth, o sistema se conecta a um computador, e se os padrões neurais forem compatíveis com a identidade do usuário, a máquina permite o acesso.

O aparelho que lê as ondas cerebrais, custa apenas US$ 100 (aproximadamente R$ 200), e faz da tecnologia algo possível a curto prazo, precisando apenas aprimorar ainda alguns pontos, o uso do headset para fazer um simples login, por exemplo, não é a solução ideal, assim como o nível de precisão do sistema, também precisa ser melhorado, hoje consegue acertar 99% na hora de determinar a identidade de um usuário a partir das suas ondas cerebrais.

O que se pode esperar é que em breve, já se possa, com um simples celular perscrutar pensamentos, usando sensores em fones de ouvido, por exemplo, para determinar se o usuário é ele mesmo, dando acesso ao sistema do aparelho, bem como aos logins em redes sociais e serviços diversos na internet. Outros usos da tecnologia podem fazer com que credenciais corporativas sejam legadas aos funcionários de uma empresa a partir do seu padrão de pensamentos.

Via Extreme Tech

domingo, 21 de abril de 2013

Detalhes de Deus


Quando Deus criou os homens e os colocou para viver sobre este planeta, teve o cuidado de, como zeloso Pai, preparar todos os detalhes.

Desceu a pormenores em Sua Providência e Sapiência. E assim, para que o homem pudesse gozar das experiências mais diversas, exercitando seus cinco sentidos, Ele salgou as águas marinhas, conferindo-lhes especial qualidade. Colocou doçura no mel e perfumes variados nas flores.

Aplicou delicada penugem em alguns frutos e aveludou as pétalas de inúmeras flores.

Estabeleceu que um leito macio seria disposto no seio das florestas e dos bosques, pelas próprias folhas caídas.

Assim, em dias de cansaço, o homem poderia delas se servir para momentos de repouso, enquanto contemplasse a variedade infinita das tonalidades da verdura das copas.

Para iluminar as noites, pintou de prata a lua e colocou brilho nas estrelas, que enchem as noites de claridades diversas.

Concedeu à liquidez das águas cantantes instrumentos diversos, a fim de que as cachoeiras caíssem com estrondo, como se estivessem executando sinfonias na percussão, enquanto aos riachos e fontes entregou sofisticados violinos, para que compusessem delicadas harmonias.

Estabeleceu que a gota de orvalho cintilasse tanto ou mais que o brilhante precioso, arrancado da terra.

Na intimidade da ostra, estabeleceu a silenciosa produção da pérola e ao vento fez escultor, enquanto percorresse, sem cansaço, através dos milênios, a dureza das rochas, com seu especial e paciente cinzel.

Também o deixou livre para despentear a cabeleira das árvores, acariciar as flores miúdas e as campinas.

Mas foi ao criar a maquinaria humana que Ele mais se esmerou. Criou um engenho perfeito, de causar inveja a qualquer grande sábio ou inventor.

Quilômetros e quilômetros de vasos e artérias, em funcionamento solidário. Hormônios, glândulas, órgãos, cada qual com sua função específica, atendendo à ordem geral.

Soberano, o cérebro governa, o coração cadencia o bombeamento do sangue, o sistema digestivo produz energia.

Por fim, para que os Seus filhos não pudessem alegar ignorância de Sua presença, instalou no ser espiritual a Sua própria essência imortal.

E gravou, de forma indelével, as Suas leis na consciência.

E a cada um legou um destino final: a perfeição.

Por ser Pai amoroso previu que, em alguns momentos, os filhos, distantes do lar paterno, poderiam se sentir acabrunhados e tristes. Por isso criou um mecanismo de diálogo, que supera os mais modernos aparelhos de comunicação.

Nada que possa superar os fios do pensamento, que atravessam o espaço com mais velocidade do que a luz e recebem retorno, imediato, de Quem sempre se encontra a postos, em atenciosa prontidão.

* * *

Deus nos é apresentado como infinito em Suas qualidades, único, perfeito, muito além do que possamos conceber nós, filhos limitados e imperfeitos.

Se isso nos parecer difícil de entender, apreender, contemplemos o mundo que nos rodeia e na variedade inesgotável das bênçãos haveremos de descobrir o Deus bom, previdente, onisciente, todo poderoso, todo amor.



Redação do Momento Espírita.
Em 12.4.2013.

sábado, 20 de abril de 2013

Google já permite que usuários possam decidir o que fazer com suas informações depois que morrerem


O grande e cada vez mais poderoso Google anunciou na quinta-feira (11) o lançamento de uma nova função que permitirá aos usuários de seus serviços online, como Gmail ou YouTube, decidir o que querem fazer com todas as suas informações armazenadas quando partirem deste mundo. Segundo mensagem em um de seus blogs oficiais:

“Hoje lançamos uma nova função que torna mais fácil comunicar ao Google o que você quer fazer com seus ativos digitais se você morrer ou não puder mais usar sua conta. Esperamos que esta nova função lhes permita preparar sua vida digital após a morte, de uma forma que proteja sua vida privada e sua segurança”.

“Gestão de conta inativa” foi o nome escolhido para essa nova função que agora será incorporada à página que oferece uma série de serviços do Google, como mensagens do Gmail, vídeos do YouTube, os álbuns de foto Picasa, a rede social Google+ e o serviço para armazenar e compartilhar fotos Drive.

Ou seja, você poderá agora decidir o futuro de seus dados contidos em suas contas quando estas ficarem inativas. Ainda segundo o Google:

“Por exemplo, você pode escolher destruir os dados, depois de três, seis ou doze meses de inatividade. Ou você pode selecionar contatos de confiança para receber os dados”.

Tudo bem, mas se acontecer algum mal entendido? Pois é, já pensando nisso e para evitar acidentes, a empresa explicou que antes de qualquer ação de sua parte será enviada uma mensagem até sua conta através do telefone celular ou a um endereço de correspondência alternativo que tiver informado.

Embora comprovadamente o brasileiro não tenha o perfil de querer pensar na posteridade, sem dúvida, é um assunto que merece uma atenção especial.

Via Exame

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Japão: frequência de terremotos diminui após dia agitado





Depois de uma quarta-feira agitada por uma série de terremotos em Miyakejima, ao sul da península de Izu (Shizuoka), a frequência de abalos sísmicos diminuiu consideravelmente na região nesta quinta-feira, segundo a Agência Meteorológica do Japão.


Mais de 40 tremores foram sentidos na quarta-feira em Miyakejima. O mais forte, de magnitude 6,6, ocorreu às 17h57, chegando a "5+" graus na escala japonesa (5 forte). Nesta quinta, até as 13h, apenas dois pequenos abalos aconteceram na região, com magnitudes de 2,7 e 3,0.

Em Miyakejima, ilha de pertence à administração de Tóquio, pelo menos três pessoas ficaram feridas. Além disso, ocorreram mais de 10 deslizamentos de terra em áreas desabitadas, segundo a emissora NHK.

Na noite de quarta, um forte terremoto também foi sentido na região Tohoku (Nordeste), na costa da província de Miyagi, às 21h03. Segundo a Agência Meteorológica, o abalo sísmico atingiu magnitude de 5,8 graus e foi uma réplica do tremor de 9,0 graus ocorrido em março de 2011.

O tremor mais forte ocorreu em Ishinomaki (Miyagi), chegando a "5-" graus na escala japonesa (5 fraco). O abalo foi sentido também em diversas províncias das regiões Tohoku e Kanto.

No último sábado, outro terremoto de magnitude 6,3 assustou os moradores de Awaji (Hyogo). O tremor danificou parcialmente mais de 2 mil moradias e deixou pelo menos 25 pessoas feridas em cinco províncias. Pela escala japonesa, o abalo mais forte chegou a "6-" graus (6 fraco), sendo que o máximo é de 7.

Especialistas disseram que esses tremores não têm ligação entre si porque foram registrados em locais distantes, envolvendo placas tectônicas ou falhas subterrâneas diferentes.


Fonte: Alternativa Online

Cansaço


Você se encontra cansado. O dia nem bem despertou e você já sente o corpo todo a reclamar das canseiras que deverão chegar.

Sente que as forças físicas devem entrar em pane a qualquer momento. Que as suas energias psíquicas estão em queda.

Você se ergue da cama e anda arrastando os pés, como se o corpo pesasse uma tonelada. Vai até o espelho, olha-se e observa. As olheiras estão aí. É como se não tivesse dormido.

Incrível. As horas de sono parecem que não lhe bastam. Que você precisa sempre mais e mais.

Talvez umas férias mais prolongadas, mais lazer.

Contudo, as horas reclamam agilidade. Você se prepara e sai para o trabalho. O estresse do trânsito está terrível. Pior a cada dia. É o engarrafamento, o acidente, as buzinas, a chuva forte que dificulta a visão. Difícil estacionar. Que dia!

Finalmente você chega ao local de trabalho e começa a lamentar-se. A mesa está sempre mais atulhada de papéis. A impressão é que quanto mais você faz, mais serviço aparece.

E hoje o chefe parece estar mais irritado do que de costume. Você continua a se lamentar. Afinal, você está muito cansado. Aliás, vem dizendo isso há muito tempo.

* * *

Pare um momento. Observe como as pessoas reagem às suas queixas. Porque você está se tornando repetitivo, alguns, para não o magoar, concordam com você. Outros silenciam, pensando no tempo que você está jogando fora, reclamando, sem tomar nenhuma providência.

Alguns se mostram indiferentes. Pensam que o problema é seu e quem deve resolvê-lo é você mesmo. Talvez alguém até chegue a se irritar com as suas lamentações.

Pode ser que alguns se afastem para não mais ouvir você, porque toda vez que você reclama se torna excessivo, aborrecido, cansativo.

Pense um pouco. Se o cansaço é físico, tome uma providência. As leis Divinas recomendam o repouso. Se for demasiado o cansaço, talvez você esteja doente e precise de atendimento profissional. Procure um médico, realize exames, trate-se.

Se o seu cansaço o preocupa, tome o caminho mais conveniente. Mas, se por qualquer motivo não puder fazer isso, então silencie. Trabalhe e ore, buscando apoio e refazimento nas fontes espirituais.

Procure Jesus na intimidade de seu coração e entregue a Ele o seu cansaço e o seu descanso.

Ilumine os campos da alma com atividades que o enriqueçam espiritualmente, que o alegrem verdadeiramente.

Evite reclamações constantes, porque elas não melhorarão o seu cansaço, nem seu esgotamento.

Procure atividades que o refaçam. Escolha um local onde necessitem de braços amigos e se ofereça como voluntário. Mudança de atividade é também repouso.

Para o seu lazer escolha o que o possa refazer. Um passeio tranquilo, a observação atenta de um quadro da natureza. Delicie-se com uma música. Desfrute o aconchego familiar. Ore e seja feliz.

* * *

O sono foi dado ao homem para a reparação das forças físicas e das forças morais.

Enquanto o corpo se recupera dos efeitos da atividade do dia, o espírito também se reabastece no mundo espiritual.

Por isso mesmo a prece, antes do sono físico, se faz tão importante. Com ela, sintonizamos com as mentes superiores com as quais, logo mais, quando dormirmos, poderemos nos encontrar para os diálogos que alimentam a alma e fortificam a disposição para as lutas.



Redação do Momento Espírita, com base no item 38, do cap. XXVIII, de
O evangelho segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, ed. Feb e no
cap. XXIV, do livro Para uso diário, pelo Espírito Joannes
psicografia de Raul Teixeira, ed. Fráter.
Em 9.4.2013.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Microsoft anuncia a substituição de Hotmail por Outlook


Mais um serviço dando adeus, agora é o de e-mails Hotmail que chegou ao seu esperado fim, e segundo a Microsoft, o Outlook, novo serviço, que estava em fase de testes desde julho de 2012, agora entrou em fase operacional com um visual ao estilo do Windows 8, novo sistema operacional da companhia que será lançado no dia 26 de outubro.

Na metade do ano, o usuário que tiver conta no Hotmail passará por uma migração automática para a nova experiência, mas mantendo as informações antigas, incluindo senha, mensagens, pastas, contatos, regras, respostas automáticas etc.

Os usuários que quiserem migrar agora, terão que acessar o site www.outlook.com, para atualizarem suas contas, digitando seu endereço de e-mail e sua senha atual e, segundo a Microsoft, eles não serão obrigados a mudarem o endereço de e-mail com final “@hotmail.com”, mas que a mudança para “@outlook.com” será permitida.

Porém, é importante saber, os endereços de e-mail do Hotmail dos usuários não serão alterados, a mudança ocorre apenas na página de acesso ao serviço, ou seja, também não haverá mudanças na senha do usuário, nos contatos, nas mensagens recebidas e enviadas, nas pastas de e-mails e em outros recursos utilizados e criados para uso no Hotmail.

O Outlook.com que une a parte Live.com e contatos do antigo Hotmail, bem como contatos do Messenger e arquivos do Skydrive já registrou, desde o anúncio da mudança, em julho de 2012, mais 60 milhões de usuários novos.

A Microsoft anunciou também que haverá uma versão do Skype embutida no serviço, dispensando a instalação do programa no PC, ou seja, qualquer computador que o usuário acessar, se possuir uma câmera, poderá usar o programa de videochamadas, embora esse serviço ainda não esteja disponível, só previsto para ser lançado nas próximas semanas.

Ao entrar em Live.com, alguns usuários já estão sendo redirecionados ao Outlook.com, e além de acessar e-mails, o usuário poderá conversar com os amigos, acessar contatos e o calendário e os arquivos que ficam no Skydrive, serviço de armazenamento na nuvem da empresa, ficam na mesma área, permitindo serem compartilhados por e-mail.

Lembrando que o Hotmail tem 60 milhões de usuários no Brasil e 360 milhões de usuários espalhados por 220 países.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Quer um animal de estimação? Então saiba o que fazer antes de adquirir um


Com a correria do dia-a-dia, as pessoas estão cada vez mais interessadas em ter uma companhia dentro de casa, e isso faz com que os animais de estimação ganhem mais espaço dentro das residências.

De acordo com a Fundação Procon-SP, antes de adquirir um bichinho é necessário tomar alguns cuidados e, principalmente, considerar alguns pontos importantes, como:

Se todos os membros da família querem ter um animal de estimação;

É necessário considerar se o animal terá companhia de alguma pessoa ou de outro animal durante o dia;

O futuro tutor também deve avaliar os gastos com alimentação, saúde e higiene, atitude essencial para saber se o orçamento familiar comporta um animal de estimação;

Levar em consideração o espaço que o animal terá para correr e brincar. Se a residência for muito pequena, é importante avaliar bem antes de comprar ou adotar;

E o mais importante de tudo é saber se o futuro tutor está disposto a cuidar do animal por bastante tempo. Em média, um cão vive de oito a 15 anos, já um gato pode viver por até 20 anos.

Aquisição

Caso decida comprar o animal, o consumidor deve verificar se a loja está funcionando regularmente e se ela fornece os documentos que devem acompanhar o animal, como a carteira de vacinação, atestado médico veterinário e o pedigree, que garante a sua raça.

Ao adquirir bichos de estimação em feiras, praças e exposições, o Procon-SP aconselha que o consumidor peça a nota fiscal com identificação do nome e endereço do fornecedor, pois havendo problemas com o animal e a feira não estiver mais no mesmo local da compra, será possível encontrar o vendedor.

É importante salientar que, na compra fora da loja, o consumidor poder desistir da compra no prazo de sete dias sem que seja necessário haver algum motivo.

Se for adotar, o consumidor pode procurar o Centro de Zoonoses de sua cidade ou ONG’s especializadas que possam ajudá-lo a encontrar seu novo amigo.

Responsabilidades

Ao criar bichos de estimação, é importante saber que existem algumas responsabilidades. Entre elas estão: recolher as fezes nas ruas durante os passeios; conduzir o animal de forma adequada (coleira, guia e focinheira no caso de animais potencialmente agressivos ou até caixa de transporte quando o caso); manter os locais onde ficam higienizados, e lembrar que a vacinação contra raiva é obrigatória.

Em alguns municípios, como São Paulo, por exemplo, é obrigatório o RGA (Registro Geral Animal), que é a carteira de identidade do animal.

Porque ter um bichinho?

Existem vários estudos hoje que comprovam que os animais domésticos podem ajudar como apoio na prevenção de algumas doenças ou minimizar os efeitos das já instaladas.

Cães e gatos podem ser redutores de estresse e fazem companhia, o que influencia positivamente na saúde humana, melhorando a pressão sanguínea, diminuindo os riscos de doença cardiovascular. Fornecem apoio em períodos de transição da vida como casamento, mudança de casa, de carreira, de cidade, nascimento de uma criança.

Auxiliam pessoas com deficiências de motricidade, de audição e visão, aumentando a assertividade, a sensação de independência.

Os animais também servem de suporte para deficientes mentais, autistas, portadores de Alzheimer e idosos, melhorando a qualidade de vida, ajudando a reduzir o sentimento de isolamento, solidão e estresse, aumentando a motivação e facilitando atividades saudáveis como andar, brincar e se relacionar.

Na maioria dos casos, os benefícios psicológicos da posse de animais sobrepõem os riscos de transmissão de doenças. Simples precauções podem evitar o risco de transmissão de zoonoses, como bloqueio de contato fecal-oral (no caso de gestantes) e cuidados na limpeza de banheiros e maternidades. Outras precauções são: lavagem das mãos de forma cuidadosa depois do contato com animais, vermifugação dos animais de estimação com periodicidade e supervisão das interações entre animais e pessoas vulneráveis.

Fonte: Yahoo! Notícias e
Com a correria do dia-a-dia, as pessoas estão cada vez mais interessadas em ter uma companhia dentro de casa, e isso faz com que os animais de estimação ganhem mais espaço dentro das residências.
De acordo com a Fundação Procon-SP, antes de adquirir um bichinho é necessário tomar alguns cuidados e, principalmente, considerar alguns pontos importantes, como:
Se todos os membros da querem ter um animal de estimação;
É necessário considerar se o animal terá companhia de alguma pessoa ou de outro animal durante o dia;
O futuro tutor também deve avaliar os com , saúde e , atitude essencial para saber se o familiar comporta um animal de estimação;
Levar em consideração o espaço que o animal terá para correr e brincar. Se a residência for muito pequena, é importante avaliar bem antes de comprar ou adotar;
E o mais importante de tudo é saber se o futuro tutor está disposto a cuidar do animal por bastante tempo. Em média, um cão vive de oito a 15 anos, já um gato pode viver por até 20 anos.
Aquisição
Caso decida comprar o animal, o consumidor deve verificar se a loja está funcionando regularmente e se ela fornece os documentos que devem acompanhar o animal, como a carteira de , atestado médico veterinário e o pedigree, que garante a sua raça.
Ao adquirir bichos de estimação em feiras, praças e exposições, o Procon-SP aconselha que o consumidor peça a nota fiscal com identificação do nome e endereço do fornecedor, pois havendo problemas com o animal e a feira não estiver mais no mesmo local da compra, será possível encontrar o vendedor.
É importante salientar que, na compra fora da loja, o consumidor poder desistir da compra no prazo de sete dias sem que seja necessário haver algum motivo.
Se for adotar, o consumidor pode procurar o Centro de Zoonoses de sua cidade ou ONG’s especializadas que possam ajudá-lo a encontrar seu novo amigo.
Responsabilidades
Ao criar bichos de estimação, é importante saber que existem algumas responsabilidades. Entre elas estão: recolher as fezes nas ruas durante os passeios; conduzir o animal de forma adequada (coleira, guia e focinheira no caso de animais potencialmente agressivos ou até caixa de transporte quando o caso); manter os locais onde ficam higienizados, e lembrar que a vacinação contra raiva é obrigatória.
Em alguns municípios, como São Paulo, por exemplo, é obrigatório o RGA (Registro Geral Animal), que é a carteira de identidade do animal.
Porque ter um bichinho?
Existem vários estudos hoje que comprovam que os animais domésticos podem ajudar como apoio na prevenção de algumas doenças ou minimizar os efeitos das já instaladas.
Cães e gatos podem ser redutores de estresse e fazem companhia, o que influencia positivamente na saúde humana, melhorando a pressão sanguínea, diminuindo os riscos de doença cardiovascular. Fornecem apoio em períodos de transição da vida como casamento, mudança de casa, de carreira, de cidade, nascimento de uma criança.
Auxiliam pessoas com deficiências de motricidade, de audição e visão, aumentando a assertividade, a sensação de independência.
Os animais também servem de suporte para deficientes mentais, autistas, portadores de Alzheimer e idosos, melhorando a qualidade de vida, ajudando a reduzir o sentimento de isolamento, solidão e estresse, aumentando a motivação e facilitando atividades saudáveis como andar, brincar e se relacionar.
Na maioria dos casos, os benefícios psicológicos da posse de animais sobrepõem os riscos de transmissão de doenças. Simples precauções podem evitar o risco de transmissão de zoonoses, como bloqueio de contato fecal-oral (no caso de gestantes) e cuidados na limpeza de banheiros e maternidades. Outras precauções são: lavagem das mãos de forma cuidadosa depois do contato com animais, vermifugação dos animais de estimação com periodicidade e supervisão das interações entre animais e pessoas vulneráveis.

Fonte: Yahoo! Notícias e http://blogs.jovempan.uol.com.br
Imagem: Ilustração/Reprodução/Divulgação

terça-feira, 16 de abril de 2013

Google Street View entra em cidade abandonada próxima a Fukushima



Dois anos depois do acidente nuclear de Fukushima, que destruiu famílias, casas , cidades, desalojando dezenas de milhares de pessoas, já é possível ver o que se passa numa das cidades evacuadas da província, Namie, graças ao Google, que a convite do presidente da Câmara de Namie, Tamotsu Baba, publicou imagens no Google Street View, a 360 graus, mostrando uma cidade completamente abandonada por causa do sismo e tsunami de Março de 2011 e dos níveis de radiação que ainda hoje se fazem sentir na zona, o qual impede a população, que sobreviveu a isso tudo, de retornar para suas casas.

O que se vê é uma cidade fantasma, tal como de muitos filmes de ficção, com muitas casas destruídas, lojas, restaurantes, carros, barcos, e tudo que qualquer cidade possui, exceto pessoas.


Em Namie, 21 mil pessoas tiveram de deixar a cidade, e ao todo, no Japão, cerca de 160 mil pessoas tiveram de abandonar as suas casas devido ao acidente nuclear de Fukushima e ainda vivem em residências temporárias, talvez tendo que esperar décadas até poderem regressar em segurança.

Segundo Tamotsu Baba, o projeto surgiu depois de “muitas das pessoas realojadas” pedirem para ver o estado atual da cidade: “Nós, das gerações mais velhas, sentimos que recebemos esta cidade dos nossos antepassados, e sentimos profunda mágoa por não a podermos passar aos nossos filhos”. Tamotsu Baba acrescenta que o dever passa agora por garantir que as futuras gerações compreendem a história e a cultura da cidade, “mesmo aqueles que não irão lembrar do acidente nuclear de Fukushima”.


Fonte: http://www.fayerwayer.com.br

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Amor sem correntes


Em seu livro O profeta, Kalil Gibran fala do matrimônio com grande sabedoria.

Vamos comentar algumas frases a fim de retirar delas ensinamentos úteis.

Referindo-se ao casal, diz Gibran: Amai-vos um ao outro, mas não façais do amor um grilhão.

Desconhecendo ou ignorando esta importante orientação, muitos casais transformam o amor em verdadeiras cadeias para ambas as partes.

O amor deve ser espontâneo. Não pode ser motivo de brigas e exigências descabidas.

O amor compreende. Não deve se constituir em grilhões que prendem e infelicitam.

Por vezes, em nome do amor, nós queremos que nosso companheiro ou companheira faça somente o que desejamos.

Só corta o cabelo quando permitimos. Só pode usar as roupas que aprovamos. Só sai se for em nossa companhia e não pode violar as regras estabelecidas pelo nosso egoísmo, para evitar brigas.

Isso não é amor, é prisão.

Amar sem escravizar, eis o grande desafio.

E o profeta aconselha:

Dai de vosso pão um ao outro, mas não comais do mesmo pedaço.

Isto significa dizer que devemos compartilhar, ser gentil, dar do nosso pedaço, mas sem exigir nada em troca.

É comum depois da gentileza vir a cobrança. Fazemos um favor e esperamos logo alguma recompensa. Pretendemos tirar alguma vantagem.

Dividir o pão, sim, mas não comer do mesmo pedaço. Isso quer dizer deixar ao outro o direito que lhe cabe do pedaço.

E Gibran continua: Cantai e dançai juntos, e sede alegres, mas deixai cada um de vós estar sozinho.

É importante compartilhar, mas saber respeitar a individualidade um do outro, sem invadir a intimidade da pessoa amada.

Há pessoas que, se pudessem, controlariam até mesmo o pensamento do seu par, a ponto de torná-lo a sua própria sombra.

Isso não é amor, é extremado desejo de posse.

Mais uma vez Kalil Gibran aconselha: Vivei juntos, mas não vos aconchegueis em demasia, pois as colunas do templo erguem-se separadamente, e o carvalho e o cipreste não crescem à sombra um do outro.

Grande ensinamento podemos retirar daí, pois a comparação é perfeita.

Viver juntos, mas cada um respeitar o espaço do outro.

O lar é um templo que deve ser sustentado por duas colunas: cada uma na sua posição para que realmente haja apoio.

Se as colunas se aconchegam em demasia, o templo pode desabar. Por isso o profeta recomenda: Vivei juntos mas não vos aconchegueis em demasia.

O amor tem por objetivo a união e não a fusão dos seres. Não se pode querer viver a vida do outro, controlar os gostos e até mesmo os desgostos da pessoa com quem nos casamos.

É preciso que cada um cresça e permita o crescimento do outro, sem fazer sombra um para o outro.

Se os casais observassem esses pequenos mas eficientes conselhos, certamente teriam uma convivência mais harmônica e mais agradável.

* * *

O verdadeiro amor é aquele que compreende, perdoa, renuncia.

Em nome do amor devemos estender a mão para oferecer apoio e não para acorrentar.

Quem ama propicia segurança, confiança e afeto.

Lembre-se de que a pessoa com quem você convive não lhe pertence. É uma alma em busca do próprio aperfeiçoamento, tanto quanto você.

Lembre-se também que beijos e abraços só têm valor se não forem cobrados.

E, por fim, guarde a recomendação:

Amai-vos um ao outro, mas não façais do amor um grilhão.



Redação do Momento Espírita com base em palestra proferida por Raul
Teixeira e no cap. O matrimônio, do livro O profeta, de Gibran Kalil Gibran, ed. Acigi.
Disponível no CD Momento Espírita, v. 5 e no livro Momento Espírita, v. 2, ed. Fep.
Em 4.4.2013.

domingo, 14 de abril de 2013

No que pensar antes de decidir ter um animal de estimação?


Ter uma companhia é sempre algo bom para aqueles dias de preguiça e mesmo que não temos muito o que fazer. Porém, antes de tomar a decisão de ter um animal de estimação para nos fazer companhia é importante considerar algumas questões práticas do dia a dia.

Ninguém pensa que terá um compromisso todos os dias com a alimentação do novo amiguinho, que terá que providenciar um lugar para ele ficar quando for viajar, que terá despesas com veterinários e muitas outras coisas de ordem prática, mas que passam longe do sentimento cativante de ter um amigo bicho.

Para te ajudar a tomar a melhor decisão em relação a ter ou não um animal de estimação elaboramos uma lista do que pensar antes de concretizar esse desejo.

Lista De Considerações

Você Tem Tempo Para Um Animal De Estimação?

A resposta para essa pergunta deve ser pensada com calma, pois por tempo para o seu novo amigo entendemos muito mais do que alguns minutos para dar comida a ele. Todo animal de estimação, assim como uma pessoa, precisa de atenção e carinho.

Os cães são os animais que mais sofrem com a indiferença de seus donos, muitas pessoas decidem ter um amigo de quatro patas, mas não tem tempo de passear ou brincar com ele. Não basta apenas colocar uma tigela de comida e outra de água, um bicho de estimação precisa de atenção.

Depois dessas considerações pense sinceramente se quando você chegar do trabalho, cansado, vai ter tempo para brincar e levar o seu animal de estimação passear. Se essa resposta é sim saiba que você tem grandes chances de ser muito feliz com o seu novo amigo.


Você Tem Espaço Para Um Animal De Estimação?

Os animais de estimação também precisam ter um espaço para chamar de seu na sua casa. Um cão, um gato ou qualquer outro bicho precisará ter um cantinho para descansar e claro para se esticar e se divertir.

Um dos grandes erros das pessoas é querer confinar os seus animais de estimação em espaços minúsculos e achar que está tudo bem. A saúde física e mental de um animal depende e muito da liberdade que ele tem no seu ambiente e também se ele tem distrações.

Um animal que fica confinado por longas horas num pequeno espaço tende a ser nervoso e difícil de domesticar. Uma dica é pensar no lugar da casa que será ocupado pelo animal e escolher o porte do seu amigo de acordo com o espaço que você tem disponível.


Você Poderá Custear Esse Animal?

Os animais de estimação geram gastos para os seus donos, além da ração que você precisará comprar para alimentar o seu novo amigo haverá as visitas ao veterinário e gastos complementares como, por exemplo, a pet shop no caso dos cães.


Pense no impacto que esse animal terá no orçamento da sua família, ou seja, se o dinheiro investido no bem estar do seu amigo não fará falta. Nunca pense em ter um animal de estimação se você não pode lhe dar o tipo de comida que ele precisa ou os cuidados de manutenção da sua saúde.

Os animais precisam dos nutrientes específicos das rações e não podem se alimentar da mesma comida que os seres humanos. Sabendo disso chega a ser cruel tentar manter um animal a base de arroz e feijão. Além disso, os animais costumam ser bem mais sensíveis a doenças.

Dessa forma é de extrema necessidade que o dono se preocupe a qualquer pequeno sinal de que algo não vai bem correr para o veterinário.

O Animal Se Encaixa Na Rotina Da Casa?

Na hora de escolher qual o animal que você terá em casa é necessário pensar se ele se encaixa na rotina da casa. Dessa forma pode ser mais indicado ter um cão, um gato, um peixe, uma tartaruga ou outro. Tudo depende de quanto tempo tem gente na casa durante o dia, se haverá alguém para dar comida e atender as necessidades do animal.

Além disso, não se pode ter um gato se há alguém alérgico no lar, não é mesmo? Esses são pequenos detalhes que ás vezes passam despercebidos pelas pessoas que desejam ter um bichinho em casa.

Saiba que após levar um animal para dentro da sua casa a responsabilidade é toda sua, ou seja, quem deverá manter a segurança e qualidade de vida dele é você.


Comprometimento

A palavra chave a ser considerada antes de adotar ou comprar um animal de estimação é comprometimento. Saiba que alguns animais tem uma média de vida que gira em torno da casa dos 15 anos.

Pense que você terá longos anos de companhia desse animal e se um dia simplesmente enjoar dele não poderá abandoná-lo. Os animais não têm culpa que a sua vida mudou e que o seu tempo ou dinheiro se tornaram mais escassos. Saiba que quando você decide ter um animal de estimação está se comprometendo a cuidar dele.


Seja Consciente

Após fazer todas essas ponderações se você acredita que é apto a ter um animal de estimação deve começar a busca pelo seu amiguinho. Você pode comprar ou adotar um bichinho para ter em casa. Independente da sua escolha é importante saber que os animais tem um período de adaptação.

Sendo assim seja consciente quando fizer a sua escolha e entenda que os filhotes podem não ser liberados na hora para se mudar. Atenda a todas as recomendações que lhe forem dadas e prepare o ambiente para receber os seus amigos.

Tenha certeza que se você tiver amor para oferecer a eles a sua casa será o melhor lugar para onde eles poderiam ir. Os animais sentem quando são queridos e amados e com certeza demonstrarão que gostam de você e da sua casa. Aprenda a ler os sinais de amor dos animais e descubra um novo sentido para ter um bicho de estimação.

Cuide bem deles e se lembre que eles são de verdade e exigem toda a sua atenção. A felicidade deles depende apenas dos cuidados que você dispensar a eles.

sábado, 13 de abril de 2013

Terremoto no Japão - Awaji Sland - 13/04/2013 05:33AM (平成25年04月13日05時48分 13日05時33分頃 淡路島付近)



平成25年04月13日05時48分 気象庁発表
13日05時33分頃地震がありました。
震源地は淡路島付近(北緯34.4度、東経134.8度)で、
震源の深さは約10km、地震の規模(マグニチュード)は6.0と推定されます。
各地の震度は次の通りです。
なお、*印は気象庁以外の震度観測点についての情報です。

Houve um terremoto em torno de 05:33AM do dia 13.
Perto da Awaji Island (34,4 graus de latitude norte, 134,8 graus de longitude leste) no epicentro,
Estima-se que a profundidade do epicentro e 6,0 escala de cerca de 10km, o terremoto (magnitude).
Intensidade sísmica em todo o país são os seguintes.
Além disso, o asterisco indica a informação sobre os diferentes sísmicas Japan Meteorological Agency pontos de observação intensidade.


Colhendo benefícios da dor


Quando o sofrimento chega, fustigando a alma; quando a dor se apresenta como tempestade impiedosa, destruindo sonhos e planos, normalmente reagimos muito mal.

Deixamos que a revolta nos abrace e externamos em palavras e atos o que nos vai n´alma por ver destroçados nossos sonhos.

Alguns de nós descambamos para o desespero insano. Deixamos de viver, abandonamos emprego, amigos... Isolamo-nos em nós mesmos, seguros de que não há, no mundo, sofrimento que se equipare ao que nos dilacera a alma.

No entanto, para algumas pessoas, o sofrimento age de forma diversa. Eles buscam soluções, não se permitindo considerar vencidos, enquanto não forem esgotadas todas as possibilidades.

Seja o problema a enfermidade, o abandono, o desemprego, eles prosseguem em frente.

E, além de não se entregarem ao desespero, encontram forças para auxiliar outros que descobrem em igual sofrimento.

Na sua dor, tornam-se mais sensíveis às dores alheias, aguçam os sentimentos da alma e ouvem os soluços de quem padece tanto ou mais que eles próprios.

Assim foi com o casal Beira, cujo filho, aos dezessete meses, foi diagnosticado com um tumor cerebral. Dali em diante foram cirurgias e quimioterapia se sucedendo.

Aos dez anos, Francesco passou a andar em cadeira de rodas, perdeu a fala e precisou de uma traqueostomia para respirar.

Os dias, as semanas e os meses se sucediam entre idas ao hospital e alguns retornos para casa.

Então os pais decidiram mantê-lo em casa, montando ali todo o aparato de uma Unidade de Terapia Intensiva – UTI. Desejavam que ele tivesse paz.

Francesco foi envolvido pelo amor da família: as duas irmãs, o pai, a mãe.

Partiu tranquilo, num domingo, enquanto seu pai e uma das irmãs seguravam cada uma das suas mãos. Os batimentos cardíacos começaram a cair lentamente, até cessarem.

Algumas lágrimas rolaram dos olhos do pai mas, olhando a serenidade do rosto do filho, orou.

* * *

A morte é sempre representação de uma separação, por breve que seja. Por isso mesmo, dolorida.

Dizem os médicos que mais difícil do que a de um adulto é aceitar a morte de uma criança. Ela é promessa e a perspectiva é que cresça, se desenvolva, se torne jovem e adulta.

Pois os pais de Francesco, após a sua morte e em sua homenagem, transformaram sua dor em benefício.

Associando-se a uma ONG, que atende crianças com câncer, eles optaram por fundar em São Paulo um Hospice, um abrigo pediátrico de cuidados paliativos.

Será o primeiro do país, nessa proposta da área médica de atenuar o sofrimento e aumentar a qualidade de vida de pacientes desenganados.

Boa parte dos recursos para essa obra foram bancados pelos pais de Francesco que doaram, após a morte dele, os recursos da poupança do filho.

Conforme falou o pai, foi um jeito de dar sentido à experiência vivida.

* * *

Sim, há muitas formas de sofrer. Bem sofrer é passar pela experiência dolorosa e ainda encontrar forças para minorar alheias dores.

Pensemos nisso.



Redação do Momento Espírita, com base na reportagem A mais difícil
decisão, de Maria Laura Neves, da revista Cláudia, ed. Abril.
Em 3.4.2013.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Sonho ou realidade? Loja protesta contra aumento de fornecedor


Hoje me deparei com a imagem abaixo, uma das principais rede de petshops fazendo um protesto sobre o aumento de um fornecedor, e diga-se de passagem, não é qualquer fornecedor. Não posso atestar a veracidade desta imagem, mas a minha intenção com esse post não é divulgar esse ato em si, mas sim imaginar uma realidade onde isso fosse comum e não algo a ser admirado, onde nossos direitos fossem respeitados e a máxima que diz “o cliente tem sempre razão” não fosse apenas um jargão pré-venda.


quinta-feira, 11 de abril de 2013

Sou do tamanho do que vejo


Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver do Universo...

Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer,

Porque eu sou do tamanho do que vejo

E não do tamanho da minha altura...



Nas cidades a vida é mais pequena

Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.

Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,

Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,

Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,

E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.



Alberto Caieiro, personagem criado pelo poeta português Fernando Pessoa, apresenta uma visão muito interessante sobre a vida.

Quando proclama que somos do tamanho do que vemos, ensina que é nossa compreensão sobre o viver que nos faz grandes ou pequenos.

Ser grande não é ser alto, rico, famoso ou intelectualizado: ser grande é ser bom, no sentido de atuar como agente do bem na Terra.

Ser grande é poder compreender a vida como passageira, transitória, e já aceitar a ideia de sermos algo muito maior do que um corpo com uma mente que pensa.

Somos Espíritos vestindo mais um corpo, mais uma vez. Sim, esta não é nossa primeira vida e certamente não será a última.

Ser grande é enxergar a vida futura, é planejar os dias pensando no que é melhor para nosso desenvolvimento espiritual e não material apenas.

Sendo grandes enxergamos longe. Pequeno, só o chão à nossa frente.

A vida agitada e, por vezes, neurótica das grandes cidades nos faz pequenos, pois sequer lembramos de parar para respirar – respirar com intenção, com qualidade.

esquecemos de olhar para o lado, de perceber a vida pulsante das árvores estendidas sobre as ruas repletas de veículos apressados.

esquecemos de fechar os olhos, olhar para o sol e, por alguns instantes, deixá-lo envolver nosso rosto cansado de tantas preocupações.

Quando nos damos tempo de meditação, fechando os olhos de fora e ampliando a visão de dentro, estamos nos fazendo gigantes. Podemos nos ver do alto, podemos nos ver de longe.

Somos, sim, do tamanho do que vemos.

E se andamos vendo muito chão e muitas paredes frias, estamos reduzidos a essa pequenez instantânea.

Mas se estamos vendo céu, verde, flores e corações irmãos, sentindo-os verdadeiramente como irmãos de jornada, estamos nos fazendo grandes.

Assim, não nos permitamos ser engolidos pela rotina aprisionadora.

Não nos permitamos automatizar todos os atos, pensamentos e palavras, sem perceber o tempo passar e sem viver intensamente cada instante.

Olhemos para cima, olhemos para longe, olhemos para os nossos com olhar de presente e de futuro.

Amemos agora, mas amemos amanhã também, fazendo hoje as melhores escolhas para o amor.

Lembremos: somos do tamanho do que vemos, e ver ou não ver sempre será uma escolha nossa.


Redação do Momento Espírita, com base em trecho do
poema O guardador de rebanhos, de Alberto Caieiro –
Fernando Pessoa, do livro Poemas completos, ed. Saraiva.
Em 2.4.2013.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Funcionária de pet shop corta orelha de gato durante tosa, em Florianópolis


Janara Nicoletti

Uma cliente de uma clínica veterinária e pet shop de Florianópolis ficou decepcionada ao encontrar seu gatinho, que havia sido levado para ganhar banho e tosa. O animal teve parte da orelha decepada durante o tratamento. A dentista Andressa Dallarin entrou em contato pelo VC no G1, para comentar o caso e pedir maior cuidado no trato com os animais que são levados para este tipo de estabelecimento.

Gato Bono teve parte da orelha decepada em pet shop (Foto: Andressa Ballarin/VC no G1)

O gato que se chama Bono foi levado para a veterinária na manhã de terça-feira (26), para banho e tosa. Por volta das 12h, o marido de Andressa foi buscar o animal. “Meu marido pagou e só depois ficou sabendo o que aconteceu. A funcionária disse que o gato se mexeu na hora da tosa e que acabou acontecendo um acidente. Meu marido ficou muito ofendido na hora, por só saber depois de pagar”, explica Andressa, que reclama do descaso da clínica com o ocorrido.

Segundo a dentista, os funcionários da clínica disseram que a orelha do bichano foi cauterizada, mas só foi passada uma medicação para aliviar a dor do animal depois que o cliente pediu para a veterinária. “Eles reclamaram que o gato se mexeu, mas todas as pessoas que lavaram ele elogiaram por ser muito calmo. Eu acho que isto foi causado pela total inabilidade da funcionária”, analisa a dentista que é cliente há quatro anos do estabelecimento que fica na Beira-Mar Norte, em Florianópolis.

Em entrevista ao G1, a supervisora da pet shop Lovely Dog, Gisele Silva, afirmou que a veterinária, logo que soube do dano, foi reparar e cuidar do gato. “Ela inclusive receitou dois medicamentos sem custo algum. Depois conversou um tempo com o cliente, que saiu aparentemente tranquilo”, explica. Segundo Gisele, a funcionária que cortou o pedaço da orelha do animal vai ser advertida. “Mas isso acontece em pet shop, tem gatos e cachorros que se mexem muito na hora da tosa”, afirma.
Fonte: G1

*****************************

Cada vez mais tenho certeza que o melhor é tirar um "tempinho" e cuidar do nosso ou nossos pequenos, nós mesmos.
Eu faço isso aqui em casa e não me arrependo...

terça-feira, 9 de abril de 2013

A caridade substituindo o egoísmo


Desde que dois homens estejam juntos, contraem, por isto mesmo, deveres recíprocos; se quiserem viver em paz, serão obrigados a se fazerem mútuas concessões.

Esses deveres aumentam com o número dos indivíduos; as aglomerações formam um todo coletivo que também tem suas obrigações respectivas.

Temos, pois, além das relações de indivíduo a indivíduo, as de cidade a cidade, de país a país.

Essas relações podem ter dois móveis que são a negação um do outro: o egoísmo e a caridade, pois que há também egoísmo nacional.

Com o egoísmo, prevalece o interesse pessoal, cada um vive para si, vendo no semelhante apenas um antagonista, um rival que pode concorrer conosco, que podemos explorar ou que pode nos explorar; aquele que fará o possível para chegar antes de nós: a vitória é do mais esperto e a sociedade - coisa triste de dizer - muitas vezes consagra essa vitória.

Disso resulta uma sociedade dividida em duas classes principais: os exploradores e os explorados.

Temos aí um antagonismo perpétuo, que faz da vida um tormento, um verdadeiro inferno.

Substituí o egoísmo pela caridade e tudo se modificará; ninguém procurará fazer o mal ao seu vizinho; os ódios e os ciúmes se extinguirão por falta de combustível, e os homens viverão em paz, ajudando-se mutuamente em vez de se dilacerarem.

Se a caridade substituir o egoísmo, todas as instituições sociais serão fundadas sobre o princípio da solidariedade e da reciprocidade; o forte protegerá o fraco, em vez de o explorar.

É um belo sonho, dirão; infelizmente não passa de um sonho; o homem é egoísta por natureza, por necessidade e o será sempre.

Se assim fosse, o que seria muito triste, é o caso de se perguntar com que objetivo o Cristo veio até nós pregar a caridade aos homens? Equivaleria a pregar aos animais.

Examinemos, contudo, a questão: Há progresso do selvagem ao homem civilizado? Não se procura, diariamente, abrandar os costumes dos selvagens? Mas, com que finalidade, se o homem é incorrigível?

Estranha bizarrice! Espera-se corrigir selvagens e pensa-se que o homem civilizado não pode melhorar-se!

Se o homem civilizado tivesse a pretensão de haver atingido o último limite do progresso acessível à espécie humana, bastaria comparar os costumes, o caráter, a legislação, as instituições sociais de hoje com as de outrora.

E, no entanto, os homens de outrora, também eles, acreditavam ter alcançado o último degrau.

Que teria respondido um grão-senhor do tempo de Luís XIV se lhe tivessem dito que poderia dispor de uma ordem de coisas melhor, mais equitativa, mais humana do que a então vigente?

Que esse regime mais equitativo seria a abolição dos privilégios de castas e a igualdade do grande e do pequeno diante da lei?

O audacioso que assim falasse talvez pagasse caro sua temeridade.

Disso concluímos que o homem é eminentemente perfectível, e que os mais adiantados hoje poderão parecer tão atrasados dentro de alguns séculos quanto o são os da Idade Média em relação a nós.

Negar o fato seria negar o progresso, que é uma lei da natureza.

Pensemos nisso.


Redação do Momento Espírita, com base em trecho da
obra Viagem espírita em 1862 e outras viagens, de
Allan Kardec, ed. Feb.
Em 28.3.2013.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Crise força o retorno de 400 mil brasileiros em cinco anos





A crise econômica mundial associada a problemas específicos em alguns países, como o terremoto seguido de tsunami no Japão (em 2011), provocou o retorno de 300 mil a 400 mil brasileiros que estavam no exterior para o Brasil. Os números são do Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, e referem-se ao período de 2007 a 2012. A estimativa é que cerca de 2,5 milhões de pessoas vivem fora do país.


Os brasileiros voltaram, principalmente, do Japão, da Espanha, de Portugal, da França e dos Estados Unidos, além do Paraguai. Porém, o Itamaraty informou que os dados são baseados em estimativas, pois vários estão em situação ilegal, o que dificulta a precisão das informações.

O único país, segundo o Itamaraty, que é exceção é o Japão, pois todos os imigrantes são cadastrados pelo governo japonês. De 2007 a 2012, o número de brasileiros no país caiu de 313 mil para 193 mil. A avaliação é que a crise econômica e o terremoto seguido de tsunami no Nordeste do Japão, agravado por explosões e vazamentos nucleares, em março de 2011, tenham provocado o retorno.

De acordo com o Itamaraty, foram eliminadas ações consideradas discriminatórias em relação a brasileiros no exterior, como era o caso da Espanha até o ano passado. Negociações entre autoridades brasileiras e espanholas, segundo o ministério, acabaram com essas barreiras.

A diretora do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior, Luiza Lopes da Silva, disse hoje (27) que os problemas de impedimento fora do país, quando ocorrem, são pontuais. Em geral, segundo ela, são questões relativas à adequação de documentos. A diplomata acrescentou que a preocupação do governo é dar condições para que todos os que retornam do exterior tenham condições de se reinserir na sociedade e no mercado de trabalho.

“No momento que o imigrante volta não acaba o problema. O retorno do imigrante não é fácil porque os caminhos que ele pode percorrer [para se readaptar à vida no Brasil] não são divulgados. De uns anos para cá, estamos fazendo esforços para levar essas informações ao exterior. Estamos fazendo a divulgação desses dados”, disse Luiza Lopes.

Fonte: Alternativa Online

domingo, 7 de abril de 2013

Que é Deus?


Embora interpretada das mais variadas maneiras, a presença de Deus sempre foi sentida pelo homem.

No início, por falta de compreensão, foram confundidas as obras do Criador com Ele próprio.

Foi a época dos vários deuses, das divindades representadas em formas humanas. Tempo em que foram erigidos como deuses os animais, a lua, as estrelas, as forças da natureza.

Os mitos, as tradições longínquas falam dos deuses que comandam mares, florestas, terremotos assim como o mundo dos mortos.

Eram deuses humanizados, com as paixões próprias dos homens que os idealizaram. Deuses que desejavam oferendas, ritos, agrados.

Por isso, entre os maias na América, os gregos na Europa, os egípcios na África, o entendimento a respeito de Deus refletia aquilo que esses povos conseguiam conceber a propósito da divindade.

Avançando no tempo, surge o conceito do Deus único, que se substancializa a partir de Moisés e passa a ganhar entendimento entre os homens.

Então, os fenômenos da natureza deixaram de ser entendidos como manifestação de variados deuses e surge a ideia de todo o Universo sob o comando de um só Deus, criador de tudo.

Porém, ainda Deus era concebido como alguém a cuidar e espreitar a vida de todos, pronto para vingar-se e para punir quem infringisse Suas leis.

Foi somente quando Jesus O chamou de Pai, que um novo entendimento e uma nova forma de relação se estabeleceu entre as criaturas e o Criador.

Desfez-se o conceito do Deus vingador, punitivo, dando lugar à crença do Deus paterno, provedor e sustento de toda a vida.

João Evangelista, ao compreender a relação com Deus, conforme propunha Jesus, sintetiza de modo claro e profundo, dizendo simplesmente que Deus é amor. E impossível se faz defini-lO com mais propriedade.

Assim, podemos entender Deus como a inteligência suprema, a causa primária de todas as coisas, mas nossas limitações intelectuais e emocionais não nos permitem avançar mais.

No entanto, as obras da Criação são os testemunhos da Sua perfeição e amor.

Quando o sol, no capricho do entardecer, colore o azul do céu com variados matizes, e isso nos emociona, estamos contemplando a obra. E podemos sentir o Autor.

Quando miramos o céu, e a precisão dos astros bailando no macrocosmo nos impressiona, nos damos conta da Onipotência Divina.

E, quando nos deixamos tocar pela beleza da vida que se desenvolve na intimidade do ventre materno, estamos começando a perceber a grandeza de Deus.

Dessa forma, constatamos que nenhuma síntese intelectual ou sofisticada discussão filosófica nos levará a entender Deus.

Será sempre pelos caminhos do coração e pelos olhos da alma que Ele se fará mais claro para cada um de nós.

E, nas dores ou nas alegrias, nos dias desafiadores ou nos momentos de conquista, será sempre Ele o sustento, o alento, o apoio e o amparo.

* * *

Meditemos: mesmo que, muitas vezes, não consigamos entender o porquê de certos desígnios divinos, a razão dessa ou daquela situação em nossa vida, não esqueçamos de que Deus é sempre o Pai amoroso, a cuidar de cada um de Seus filhos, com desvelo e amparo incondicionais.



Redação do Momento Espírita.
Em 30.3.2013.