Google+ Followers

sábado, 10 de janeiro de 2015


A adolescência é um período de muita contestação. O adolescente tende a rejeitar tudo que não corresponda à sua ideia de mundo.

Alguns ficam irritados com qualquer manifestação pública de amor, por parte dos pais.

Mike era um desses. A simples menção da palavra amor o deixava irritado.

Num dia difícil, ele entrou em seu quarto como um furacão, bateu a porta e se jogou na cama.

Ali estirado, escorregou as mãos por baixo do travesseiro, onde encontrou um envelope, com a seguinte recomendação: Para ler quando estiver sozinho.

Como ninguém iria saber mesmo se ele lera ou não, ele abriu e leu.

Mike, sei que a vida está dura agora. Sei que você se sente frustrado e que, apesar da nossa boa intenção, nem tudo que fazemos é certo.

Mas sei principalmente que amo você demais e nada do que você faça ou diga vai mudar isso. Nunca. Estou aqui para conversar, se você precisar. E, se não precisar, tudo bem.

Saiba que não importa aonde você vá ou o que você faça na vida, sempre vou amá-lo e sentir orgulho de tê-lo como filho.

Estou aqui por você e o amo. Isso não vai mudar nunca. Com amor. Mamãe.

Aquela foi a primeira de muitas cartas. Ele nunca falou a respeito delas para a mãe, até se tornar um adulto.

Mas, nos dias atribulados da adolescência, as cartas eram a garantia silenciosa de que ele era amado, incondicionalmente, apesar de tudo.

Essa gratuidade do amor de sua mãe o ajudou a superar as crises e revoltas da adolescência, fazendo vir à tona o que ele tinha de melhor.

O seu agradecimento a Deus se fez presente mais tarde. Agradecimento pela mãe que teve a sabedoria de discernir o que aquele adolescente precisava.

Por ela ter persistido, apesar do seu silêncio e da sua aparente indiferença.

Ainda hoje, quando os mares da vida se tornam revoltos, Mike lembra que a segurança de um amor consistente, durável, incondicional, é capaz de mudar uma vida.

* * *

O adolescente que rejeita tudo que se lhe oferta é, quase sempre, o Espírito rebelde que necessita de maior dose de amor e compreensão.

Rebela-se ao amor porque teme a ele se entregar.

Rebela-se aos bons conselhos porque guarda dentro d'alma a certeza de que deve modificar sua conduta, e não o deseja fazer, agora.

O adolescente é alguém que se encontra em um ponto nevrálgico de sua jornada. Necessita abandonar a infância e se defronta com as posturas do homem velho, que na qualidade de Espírito, traz como herança de si mesmo.

Assim, ama esse ser e ampara-o.

Esclarece-o, mesmo que pareça desdenhar as palavras dignas.

Envolve-o na tua oração de pai ou mãe amorosa e dedica-te, guardando a certeza de que Deus, que por ti vela, também haverá de iluminar as veredas do teu filho.

Não desistas nunca da sua orientação porque dia virá em que ele te haverá de agradecer a persistência e a dedicação.

E então, poderás observar que ele estará ofertando à sociedade o que o teu amor e a tua perseverança nele semearam de melhor.

* * *

A melhor herança que os pais podem dar a seus filhos são alguns minutos de seu tempo todos os dias.



Redação do Momento Espírita, com base no cap. Para ler quando estiver sozinho, de autoria de Mike Straver e pensamento de O. A. Batista, do livro Histórias para aquecer o coração das mães, de Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Jennifer Read Hawthorne e Marci Shimoff, ed. Sextante.

Em 8.1.2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário