Google+ Followers

terça-feira, 16 de julho de 2013

Chamas


Quatro velas estavam queimando calmamente. O ambiente estava tão silencioso que se podia ouvir o diálogo entre elas.

A primeira, expandindo a sua chama, disse: Eu sou a paz. Peregrino pelas estradas do sentimento, buscando morada no coração dos homens. Viajo pelos campos devastados pelas guerras e canto a minha canção aos ouvidos dos que ainda persistem nas batalhas cruentas.

Penetro os lares e espalho o perfume da minha presença. Devo admitir que apesar da minha luz, as pessoas não têm conseguido me manter acesa.

E, diminuindo sua chama, devagarzinho, apagou-se totalmente.

A segunda, mostrando o colorido da sua chama, falou: Eu me chamo fé. Tenho me sentido supérflua entre os homens. Eles se encontram cheios de tanta tecnologia e conquistas que não me escutam. Não querem saber de Deus e das verdades espirituais.

Insistentemente, tenho batido às portas da razão humana, demonstrando que sem a minha luz, logo, logo, quedarão em trevas densas e sofridas. Porque eu sou a chama que se apresenta quando o desengano aparece. Sou a luz que brilha na noite da desilusão. Sou a companheira dos que padecem agruras sem conta.

Mas, como tenho sido rechaçada, não faz sentido eu continuar queimando.

Ao terminar sua fala, um vento bateu levemente sobre ela e a chama se apagou.

Baixinho e triste, a terceira se manifestou: Eu sou o amor! Não tenho mais forças para queimar. As pessoas me deixam de lado, porque tudo é mais importante do que eu: a carreira, os prazeres, as coisas materiais.

Os homens só conseguem enxergar a si próprios, esquecendo até dos que estão à sua volta.

Dito isto, o amor recolheu a sua chama e se apagou.

De repente, entrou uma criança. Olhou as três velas apagadas e falou, espontânea:

Que é isso? Vocês devem ficar acesas e queimar até o fim!

Foi daí que a quarta vela, que havia permanecido queimando, sem nada dizer, falou: Não tenha medo, criança. Nem se preocupe. Enquanto a minha chama estiver acesa, podemos acender as outras velas.

Então a criança apanhou a vela da esperança e acendeu novamente as velas da paz, da fé e do amor.

* * *

A esperança é a virtude através da qual o cristão confia em receber a misericórdia de Deus na Terra e a plenitude espiritual após a morte do corpo físico.

A vida, sem a esperança, perde o colorido e as suas elevadas motivações porque é a esperança que concede forças para enfrentar os desafios e vencer as vicissitudes que surgem a cada passo.

Ninguém consegue viver com alegria sem o concurso da esperança.

Esperança de melhores dias. Esperança de realizações superiores. Esperança de paz. Esperança de fé. Esperança de amor. Esperança de elevação.

A esperança faz claridade que ilumina o caminho. Com esperança, o homem aprende a ver o lado melhor dos acontecimentos, não se permite o insucesso e não receia repetir a experiência.



Redação do Momento Espírita, com base no texto Chamas, de autoria
ignorada e com pensamentos finais da Apresentação, do livro Momentos de
esperança, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira
Franco, ed. Leal.
Em 4.7.2013.


Nenhum comentário:

Postar um comentário