Google+ Followers

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O que é normal?



Descobertas recentes sobre a origem de algumas doenças, sobre as guerras, a violência e a destruição ecológica, nos levam a questionar certas normas ditadas pela sociedade, através dos consensos existentes.

Tem-se constatado que algumas normas sociais, passadas e atuais, levaram ou levam ao sofrimento moral ou físico dos indivíduos.

Há na maioria dos nossos contemporâneos uma crença bastante enraizada.

Segundo esta, tudo o que a maioria das pessoas pensa, sente, acredita ou faz, deve ser considerado como normal e, por conseguinte servir de guia para o comportamento de todo mundo e mesmo de roteiro para a educação.

O pesquisador e escritor Pierre Weil nos traz uma nova visão sobre esse tema.

Ele chama de normose ao conjunto de normas, valores, hábitos de pensar ou de agir aprovados pela maior parte de uma determinada população e que, em algum momento, levarão a sofrimentos.

Esses comportamentos são vivenciados sem que os seus autores tenham consciência dessa natureza prejudicial.

Um exemplo simples, entre vários que poderíamos abordar, é o do consumo de cigarros.

Até algum tempo, era considerado normal que as pessoas fumassem. Mas, à medida em que ficou comprovado que o ato de fumar causa sérios danos à saúde, esse hábito começou a ser questionado.

O resultado foi que essa normalidade caiu por terra.

Assim como essa conduta perdeu adeptos, outras formas de comportamento vistas como normais hoje, poderão deixar de ser logo mais.

Nem tudo o que a maioria das pessoas aprova, através dos hábitos de pensar ou de agir, é conveniente que adotemos para nós mesmos, para nossas famílias ou para a educação de nossos filhos.

Estejamos atentos para analisar hábitos novos que a sociedade nos impõe. Hábitos que, muitas vezes, vão se instalando lenta e gradativamente.

Passamos a substituir o cuidado com o corpo físico através do lazer e do esporte, pelas infindáveis horas à frente dos computadores, televisores e jogos digitais, acreditando que é normal porque a maioria age assim.

Aos poucos, passamos a considerar normal o hábito de ingerir bebida alcóolica, com frequência e em grandes quantidades, pautados na forma como um número considerável de pessoas decidiu agir.

Crianças e jovens desrespeitam pais, professores e colegas porque os outros também têm essa conduta.

Assim como esses, poderíamos citar muitos outros exemplos, mas cabe a cada um de nós identificar o que realmente tem valor em nossas vidas.

* * *

Jesus nos orientou a que vivêssemos no mundo sem sermos do mundo. É difícil não ceder aos apelos que sofremos constantemente. É difícil ser diferente, mas não impossível.

Basta que tenhamos a firmeza de agir de acordo com o que realmente acreditamos e enchermo-nos de coragem para dizer não, sem nos importarmos com críticas e julgamentos.

Sigamos em frente felizes, com a certeza de estarmos pautando nosso comportamento nos valores que carregamos em nosso íntimo.



Redação do Momento Espírita, com base em texto
do livro Normose, a patologia da normalidade, de Pierre Weil, Roberto Crema
e Yves Jean, ed. Versus.
Em 23.11.2012.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Transplante de célula de focinho faz cão voltar a andar



Cientistas da Universidade de Cambridge conseguiram reverter a paralisia em cachorros, após injetar células retiradas do focinho dos animais.

De acordo com os pesquisadores, as descobertas mostram, pela primeira vez, que transplantando este tipo de células em uma medula muito lesionada pode trazer melhoras significativas e abre novas possibilidades.

"Acreditamos que a técnica pode vir a ser usada para recuperar parte dos movimentos em pacientes humanos com lesões na medula vertebral, mas há um longo caminho a percorrer até podermos afirmar que eles serão capazes de recuperar todos os movimentos perdidos", diz o biólogo, Robin Franklin que participou da pesquisa.

O estudo foi financiado pelo Conselho Médico de Pesquisa (MRC, na sigla em inglês) da Grã-Bretanha e publicado no jornal científico "Brain".

A pesquisa é a primeira a testar transplantes em animais com lesões sofridas na vida real, ao invés de usar cobaias de laboratório.

Em uma parceria do Centro de Medicina Regenerativa do MRC e a Escola de Veterinária de Cambridge, os cientistas retiraram amostras de células olfativas do focinho dos cães e as cultivaram em laboratório durante várias semanas.

Os 34 cachorros que participaram da pesquisa haviam sofrido lesões na coluna que os impediam de usar as patas traseiras.

Em 23 dos cães, foram injetadas células olfativas na coluna; nos outros 11, o chamado grupo controle, foi usada uma solução aquosa neutra, sem nenhum efeito, para ser usado como termo de comparação.

Enquanto muitos dos cachorros que receberam o transplante de células apresentaram melhoras significativas e voltaram a andar, nenhum dos caninos do grupo de controle apresentou movimento nas patas traseiras.

Porque o nariz?

Após chegar a idade adulta, o nariz é a única parte do corpo em que terminações nervosas continuam a crescer.

As células foram retiradas da parte posterior da fossa nasal. São células especiais que rodeiam os neurônios receptores que nos permitem sentir cheiros e convergir estes sinais para o cérebro.

Os cientistas dizem que as células transplantadas regeneraram fibras na região lesionada da medula. Isto possibilitou que cachorros voltassem a usar as suas patas traseiras e coordenar o movimento com as patas da frente.

Em humanos, o procedimento poderia ser usado em combinação com outras drogas para promover a regeneração da fibra nervosa e substituir tecidos lesionados.

Geoffrey Raisman, o especialista em regeneração neurológica da University College London, descobriu em 1985 este tipo de célula olfativa, que foi usada na pesquisa de agora.

Ele avalia que este foi o maior avanço dos últimos anos na área, mas diz que não é a cura para lesões de medula. "O procedimento permitiu que um cachorro lesionado voltasse a usar suas pernas traseiras, mas as diversas outras funções perdidas em uma lesão de medula, como uso da mão, controle da bexiga e regulação de temperatura, por exemplo, são mais complicados e ainda estão muito distantes".

Na pesquisa, as novas conexões não ocorreram em longas distâncias, necessárias para conectar o cérebro a medula. Os pesquisadores do MRC disseram que em humanos isto seria vital para pacientes com lesões na medula, que perderam funções sexuais e o controle da bexiga e do intestino.

Entre os cães com história de sucesso, está Jasper, um bassê, de dez anos de idade. "Antes do tratamento, nós usávamos um carrinho de rodas porque as suas patas traseiras eram inúteis, mas agora ele corre pela casa e no jardim e acompanha os outros cachorro, é maravilhoso", comemorou sua dona, May Hay.



sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Vida Depois dos Cinqüenta!!!



Para os quarentões, cinquentões e outros fudidões


Se você já passou dos cinquenta, prepare-se porque logo, logo, vai começar a sofrer de TPC.
Para quem não está ligando o nome à coisa,explico: TENSÃO PÓS CINQUENTA.
Só os homens sentem isso, porque mulher não faz cinquenta nunca! No máximo...49!
Console-se, porque todo mundo um dia vai envelhecer.
Lembra-se de quando você tinha vinte anos? Você sofria por bobagens, como ter que usar creme anti-acne? Agora tem que usar gel para dor muscular...
Você se apaixonava e achava que o teu coração te maltratava? Experimenta subir correndo um lance de escada agora...
O que é uma fimose diante de uma artrose?
O que é um band-aid, diante de um emplastro?
O pior é quando você percebe que ao invés de ter quatro membros flexíveis e um duro, passou a ter quatro membros duros e um mole!
O problema maior já não é aquela primeira vez que você não consegue dar a segunda e sim a segunda vez que você não consegue dar a primeira!
Agora, você nem se importa mais em tirar a roupa e não provocar desejo, não provocando riso, já tá ótimo!
Aliás, sexo depois dos cinquenta, se você conseguir, é que nem pizza... mesmo ruim, tá bom!
Os médicos dizem que sexo depois dos cinquenta é importantíssimo! Ajuda na circulação sanguínea, nos batimentos cardíacos e que deve ser praticado no mínimo três vezes por semana!
Então você pergunta: -Com quem?
E, se você for casado, então... não existe a menor possibilidade que isso aconteça!
E se for solteiro e coroa, também não.
E ainda dizem que depois dos cinquenta o homem fica mais sexy...só se for sex agenário..
Mas se você estiver solteiro, pode conseguir casar depois dos cinquenta e fazer sua lista de casamento numa farmácia...
Dizem que a vida começa aos quarenta... Verdade!
Só que em vez de um pediatra, você começa a frequentar um geriatra...
Em vez do teste do pézinho...vai ganhar o teste do dedinho: Um bom exame de próstata!
Depois dos cinquenta o romantismo muda para reumatismo... Mas, você pode correr atrás do prejuízo. Corra numa esteira, num parque, não importa...

DICA:

Depois da corrida, tome um açaí com prozac e meio viagra.
Sua depressão vai desaparecer na hora...se você não morrer!


*******************


Essa é para descontrair um pouco!!! rs
Recebi de uma de minhas Primas rs
Não resisti e postei!!!!
Obrigado Helena!!!
Dei muitas risadas!!!

Abraxos à todos!!!!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Renunciar


Os relacionamentos humanos nem sempre são fáceis.

As pessoas colocam muitas expectativas umas nas outras.

É comum esperar-se receber mais do que se dá.

Ou então se estabelecer um sistema de trocas que não parece funcionar a contento.

Frequentemente, tem-se a ideia de não ser correspondido à altura da própria dedicação.

Por conta disso, muitas relações se rompem.

As pessoas deixam que seus vínculos familiares e sociais se fragilizem.

Lentamente se afastam dos entes queridos.

Veem os familiares apenas nos feriados mais significativos, ainda assim sem qualquer entusiasmo.

A respeito dessa tendência humana, há uma interessante passagem evangélica.

Nela, Jesus fala sobre os vínculos terrenos.

Relaciona casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos e terras.

E afirma que quem deixar tudo isso por amor ao Seu nome receberá cem vezes mais e herdará a vida eterna.

Trata-se da enunciação do dever de renunciar aos bens do mundo, para alcançar a vida eterna.

No entanto, é importante refletir em quê consiste tal renúncia.

Jesus explica que o êxito pertencerá aos que assim procederem por amor de Seu nome.

Não se trata, portanto, de um mero abandonar.

Não está em pauta a satisfação do orgulho, da vaidade e do egoísmo.

À primeira vista, o alvitre Divino parece um contrassenso.

Como olvidar os mais sagrados deveres da existência?

Afinal, o próprio Cristo cuidou de santificá-los!

Muitos cristãos precipitados não souberam atingir o sentido do texto, nos tempos mais antigos.

Numerosos irmãos de ideal recolheram-se à sombra do claustro.

Com isso, olvidaram obrigações superiores e inadiáveis.

Entretanto, é preciso atentar para o modo pelo qual Jesus renunciou.

Aos companheiros que O abandonaram, aparece glorioso, na ressurreição.

Não obstante as hesitações dos amigos, divide com eles, no cenáculo, os júbilos eternos.

Aos homens ingratos, que O crucificaram, oferece sublime roteiro de elevação.

Deixa-lhes o Evangelho e se desdobra em cuidados por eles, no correr dos séculos.

Assim, convém observar o que representa renunciar por amor ao Cristo.

Trata-se de perder as esperanças da Terra, conquistando as do céu.

Por vezes, os pais não são compreensivos, a esposa, o esposo são ingratos e os irmãos parecem cruéis.

Então, é preciso renunciar à alegria de tê-los melhores ou perfeitos.

Urge se unir ainda mais a eles, a fim de trabalhar no aperfeiçoamento com Jesus.

Talvez você não encontre compreensão no lar.

Quiçá, seus amigos e irmãos sejam indiferentes e rudes.

Mesmo assim, permaneça ao lado deles.

Somente desse modo estará renunciando por amor a Jesus.

E apenas com semelhante renúncia alcançará as bênçãos do entendimento, da paz e do genuíno amor.

Pense nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no cap.
154, do livro Caminho, verdade e vida, pelo Espírito
Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier,
ed. Feb.
Em 5.11.2012.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Morte, temida morte



Se a um jovem perguntarmos o que lhe representa a morte, ele responderá: A morte é a ceifeira dos sonhos.

É uma megera que se compraz em destruir o que de mais idealista se projeta.

Teima em não obedecer regras pois arrebata filhos antes dos seus pais, crianças antes dos idosos.

Abraça os que apenas desabrocham para a vida; envolve em seu manto negro adolescentes apaixonados, jovens estudantes.

Destrói a ventura de um casal, atingindo um dos cônjuges, deixando o outro mergulhado em sombras de saudade e dor.

Agrada-lhe a semeadura da desgraça e cascatas de lágrimas.

A um dia de sol, em que a criançada grita e brinca, entre os jardins, o bosque e o lago, oferece a sua presença e transforma risos em pranto, cantos em lamentos.

Aproveita-se de qualquer descuido para roubar o ente querido. Basta uma leve distração e a criança é arrebatada. Um senão qualquer e a vida amada se vai.

No entanto, se indagarmos a alguém que padece sobre um leito, dia após dia; alguém que já não encontra remédios que lhe amenizem as dores; alguém a quem o bendito repouso do sono não chega porque a enfermidade dolorosa não o permite;

se questionarmos alguém a quem os meses se multiplicaram em acentuados anos, secando-lhe o viço e a mobilidade; alguém que viu seus amores partirem um a um, seguidos pelos colegas e amigos; alguém que vive só, sem ter quem o visite, amenizando-lhe a carência afetiva e depende de mãos alheias para o asseio, o alimento, os mínimos movimentos, esse alguém nos dará uma visão diversa da morte.

Ele dirá que ela é a libertadora, que o corpo lhe pesa em demasia, que não suporta mais as dores físicas ou a solidão, que deseja o reencontro com os que se foram.

Então, para esse, a morte vem com outras vestes. Não é a lúgubre presença destruidora, mas aquela que ele aguarda o abrace suavemente e o conduza ao outro mundo.

* * *

De um modo geral, consideramos a morte sempre como indesejada. Os que temos nossos amores envoltos em enfermidades, não nos cansamos de estabelecer novas trincheiras de combate, a fim de lhes devolver a saúde.

Todos os que amamos se fazem preciosas presenças e, por isso, não desejamos que partam.

Os pais esperam seguir antes dos filhos, que não almejam morram seus amigos, conhecidos, colegas.

No entanto, a morte é inexorável para todos. E, como disse Jesus, ninguém sabe o dia, nem a hora, senão o Pai que está nos céus.

Importante, dessa forma, que nos conscientizemos que estamos no mundo de passagem. Por mais se alonguem os anos, por mais a ciência progrida e estabeleça parâmetros mais dilatados de longevidade humana, um dia, a morte chegará.

Por isso, guardemos a sabedoria de viver intensamente cada dia, de saborear cada momento com os pais, os filhos, o cônjuge.

Dediquemos tempo aos nossos amigos, permitamo-nos parar para ouvir o colega, o vizinho.

Tudo para que, quando a morte nos arrebate, os que ficarem possam ter doces lembranças da nossa presença a lhes luarizar a saudade dos dias.

E, se nossos amores antes forem, possamos guardar a certeza de que não desperdiçamos nenhum momento ao seu lado.

Depois, é só aguardar o reencontro, um dia, na Espiritualidade.



Redação do Momento Espírita.
Em 1.11.2012.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Efeito Canino

EFEITO CANINO é o título que dou ao álbum de fotos que tenho no facebook mostrando o estado que já encontrei meu apartamento depois de um longo dia de serviço...
Espero que gostem... rs

Vejam que legal:

































quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Adotar ou Comprar um Cachorro?!

Cá estou eu me lembrando de algo que aconteceu a uns dois meses atrás lá no nosso perfil do Facebook....
Um rapaz que conheço apenas pelo seu perfil no Face, adicionou nosso perfil em uma foto de propaganda do canil que ele tem aqui no Japão.
Tenho que dizer que isso aconteceu durante o dia, enquanto eu dormia depois de uma longa noite de trabalho... rs
Quando eu acordei, vi no meu celular um monte de avisos do Facebook e fui fui conferir rs
Ele postou esta foto:


Vocês olharam bem para ela?!
Acharam algo de estranho ou diferente?!
Nada né?! rs
Pois é, mas alguém achou e foi lá "soltar os cachorros"....
Falou que não achava certo vender cachorros enquanto existem tantos ai abandonados.
Que é desumano e tal...
Bom, depois desse comentário, veio uma "avalanche" de outros defendo e criticando...
Tudo isso, por causa de uma foto!!!!
O Tom, dono (eu acho), escreveu uma coisa que realmente eu concordo.
Ele comentou que as várias raças existem por vários motivos, mas principalmente porque cada pessoa que quer um cachorro, tem um necessidade específica, que muitas vezes a característica da raça ajuda.
Por exemplo. quem mora em apartamento (ele mesmo deu o exemplo), não vai comprar um São Bernado né?! rs
E eu concordo plenamente com isso. 
Escrevo isso porque algumas pessoas me procuram às vezes perguntando qual raça que eu acho ideial no caso delas.
Um exemplo que tenho, é de uma moça que estava procurando um cachorro para fazer companhia a seu sogro e eu indiquei um Yorkshire.
Errei?!
Eu sinceramente retirei minha marcação da foto.
Não tenho nada contra adotar ou comprar um cachorro e sinceramente não gosto de brigas.
A "infeliz" foi "infeliz"(rs) nas palavras que usou em seus comentários, mas não havia necessidade (eu penso assim) do que veio depois...
Uma agressividade verbal, uma falta de tolerância total e eu me permiti sair de mansinho... rs
E vou dizer o porque....
Porque penso eu que o mundo está nesse caos que está hoje justamente por isso, pela falta de respeito que estamos tendo uns para com os outros...
Aqui no Blog, eu coloquei algumas frases que gosto quase no final da página.
Lá tem uma do Paulo Coelho que diz assim:  

"Uma coisa é você achar que está no caminho certo, outra é achar que o seu caminho é o único. Nunca podemos julgar a vida dos outros, porque cada um sabe da sua própria dor e renúncia...".

Penso eu que essa frase é única e diz tudo...
Sim, eu sei que existem milhares de cachorrinhos e gatinhos abandonados por ai e que precisam de um lar.
Eu sei disso, e sou totalmente, 100% à favor da adoção de animais.
Não tenho palavras para descrever o quanto admiro o trabalho que várias pessoas fazem por estes seres que muitas vezes são resgatados num estado de saúde lastimável... 
Mas, isso não quer dizer que seja errado também comprar um animal.
Não podemos generalizar as coisas.
Se em tudo que fizermos, agirmos de forma radical, com certeza provocaremos reações ao nosso redor que muitas vezes não serão positivas....
Por exemplo, existem milhares de crianças orfãs.
A cada dia nascem outras e esse número vai aumentando...
Por acaso vocês algum dia viram uma propaganda dizendo assim: 

"Não façam filhos, adotem!!!".

Eu nunca vi.
Conheci um casal certa vez que ele estava no seu segundo casamento, tinha duas filhas do primeiro casamento e uma do atual.
Era o primeiro casamento da mulher e ela queria mais uma criança, pois a menina já estava com 10 anos.
Ela queria adotar, mas o marido, não aceitava essa idéia de forma alguma.
No fim, depois de muitas discussões,  acabaram "fabricando" o segundo filho rs
Erraram? Acertaram?
Eu não sou ninguém e nem vou julgar, pois eles estão felizes e pagam suas contas.
Eu tenho três cachorros, todos foram comprados.
Cometi algum crime?!
Na época em que comprei eles, nunca tinha ouvido falar nos problemas de abandono de cães aqui no Japão, mesmo, de verdade.
Na verdade, essa realidade veio mudando a mais ou menos um ano, quando conheci a ONG Happy Family.
Por sinal, eles tem um blog e um perfil no Facebook.
Quem tiver vontade de conhecer, adotar ou ajudar financeiramente, entre em contato com eles.



Enfim, eu espero que consigam entender o que tentei expressar aqui....

Obrigado.

Abraxos!!!!


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

INTERNET : INIMIGA E ALIADA

Esse é o meu afilhado!!!

Hoje em dia o mundo não é mais o mesmo. As pessoas não vão mais à biblioteca, não lêem livros, nem mesmo procuram o significado das palavras no nosso bom e velho amigo dicionário. Tudo isso decorre de uma só causa: a internet.

A internet auxilia em muitas coisas, como em pesquisas, interação, lazer, viagens, relacionamentos, dentre outros. Ela facilita a vida das pe
ssoas, que não precisam mais irem ao banco e pegar as longas e cansativas filas para pagarem as contas. Ir à biblioteca fazer aquela pesquisa pedida pela escola ou faculdade, nem pensar! Como em um passe de mágica tudo se resolve em algumas palavrinhas digitadas e um simples clique no mouse torna a vida muito mais simples e fácil. Até alugar filmes pela internet é possível, assim como procurar emprego. Tudo se resolve pela tecnologia.

Em contrapartida, a internet limita a visão de mundo das pessoas. Os jogos que podem ser instalados em computadores, Ipads e tablets e as facilidades proporcionadas pela internet fazem com que as pessoas passem a maior parte do tempo frente às máquinas, limitando as relações interpessoais. Velhas brincadeiras como, esconde-esconde, pular corda, jogar bola, também estão sendo abandonadas e trocadas pela tecnologia.

As pessoas precisam encontrar o equilíbrio entre a tecnologia e a vida além tecnologia. Por exemplo, elas precisam sair mais, se encontrarem com amigos, irem à biblioteca e conhecerem esse amplo universo do conhecimento, andar de bicicleta, brincar ao ar livre, praticar esportes, enfim, fazerem coisas que as ajudem a conciliar a praticidade da internet sem se esquecerem do mundo “real''.

Escrito por: Victor Dantas

************************

Gostaram?!
Pois é, deixa eu contar um história para vocês...
A pouco mais de 16 anos atrás, estava eu na sala de aula, quando uma amiga chega um pouco nervosa.
Como sempre, fui lá dar um "oi" e conversamos.
Ela me conta que está grávida e é claro que amei a notícias e logo dei os parabéns.
Não importa hoje "os detalhes", mas disse a ela que estaria ao lado dela sempre que precisasse.
Depois de algum tempo ela me chamou para ser Padrinho da criança que ia nascer.
Apesar de não ser católico, aceitei o convite e senti uma grande honra.
Alguns meses se passaram e nasceu um lindo menino, o Victor...
Foi um sonho, de verdade.
Victor era o bebê mais lindo que eu já tinha visto na vida e confesso que o amor que sentia por aquele menino era de um pai para com um filho.
Para mim não importava o título de ser Padrinho, mas sim o amor que sentia por ele.
Infelizmente estava já de malas prontas para vir para o Japão.
O vi em 1998 e depois em 2000.
Apesar de tudo, Victor tinha a avô e as tias e o tio perto dele, que sempre deram muito amor.
Eu tinha notícias dele quando ligava ou recebia cartas.
Por problemas na vida, nos separamos, seguimos rumos diferentes...
Mas, nunca o esqueci.
Sábado passado, nem sei como, achei esse pequeno, que não é mais pequeno rs, no facebook....
Quem disse que a Internet não é maravilhosa?! rs
Eu estou sinceramente muuuuuito, mas muiito feliz mesmo.
É um rapaz lindo, enorme, tem 1,83 de altura!!!
Hahahahaha e eu com 1,58 kakakakakakaka
Esse texto que coloquei acima, é da autoria dele...
Enfim, é isso.
Queria compartilhar com vocês esse momento de extrema alegria na minha vida!!!
Abraxos!!!

domingo, 11 de novembro de 2012

A história da Belinha



Eu estava trabalhando bastante em 2005.
Na verdade, quero saber quando é que eu não estava... rs
Brincadeira...
Eu sentia que o Cão andava se sentindo sozinho, carente e nada eu podia fazer.
Um dia, uma amiga me levou para passear rs
Fomos das uma volta por Sakae (bairro aqui de Nagoya muito famoso pelas lojas, shopping e tal).
Acabamos entrando num pet shop.
A maioria dos cachorros tinham mais de 4 meses, o que dificultava a venda... Acho que eles não conseguiam vender na realidade...
Deu dó, porque todos ficavam presos num cubículo. Era um armário de vidro, com vários quadrados e lá ficavam os pequeninos.


Eu vi um pequena, da mesma raça que o Cão, chocolate e canela e pedi para pegar.
Uma pequenina de 4 meses na época.
Eu peguei ela no colo e ela do nada, veio e lambeu meu nariz, uma graça.
Minha amiga só falou: "Xiiiii, amor a primeira lambida!!!". rs
Curti mais um pouco a pequena e fui embora.
Nos dias seguintes minha cabeça fervia com a imagem da pequena...
Uma voz, que sei bem de quem é, me dizia que ela teria muitos problemas de saúde e que me daria muito trabalho. Que ficava ao meu critério se queria ou não passar por isso.
Eu não sei exatamente quanto tempo se passou, mas lá fui eu com minha amiga pegar a pequena princesa...
No caminho para casa, já fui direto para a clínica veterinária.
A veterinária que atendeu foi logo examinando depois que comentei que tinha acabado de comprar e tal.


Foi quando ela nos mostrou a barriga da pequena...
Estava cheia de feridas, o ouvido cheio de sujeira, com infecção e tal.
Ela logo foi dizendo que o melhor seria devolver ela, pois me daria muitos gastos e trabalho.
Ela não sabia que eu tinha escolhido a Belinha, ou a Belinha tinha me escolhido rs
Não me importei e assim começou minha odisséia com a Belinha rs
Quando chegamos em casa, ela se manteve quieta, tímida.
Também coitada, viveu meses trancada naquele quadrado, der repente, tinha tanto espaço, num local desconhecido, com gente desconhecida...
Lembro-me que foi as 2 da madrugada, ela estava deitava, de barriga para cima, quando eu olhei bem todas aquelas feridas e deu um monte de beijos na barriga dela pedindo a Deus que a curasse.
De repente, ela talvez tenha se dado conta da realidade e começou a correr pelo apartamento todo numa alegria sem tamanho.


Mordia os brinquedos, pulava e tal...
Ela e o Cão se adaptaram rápido.
Ela gostava de provocar ele rs
Pegava os brinquedo e esfregava na cara dele rs
Pulava em cima dele e depois simplesmente dormia a seu lado rs
Mas, seus ouvidos e sua barriga continuavam ruins e as idas a clínica veterinária eram de 15 em 15 dias.
Ela também não fazia nem xixi e nem coco no lugar certo de maneira alguma...
Então, durante o dia, quando eu estava trabalhando, deixava-os presos num cercado que fiz, enorme... rs
Mas, não é que a bendita pulava?!
Ai não pulava de volta e fazia toda a sujeira pela casa....




E o lixo?!
O Cão nunca, mas nunca mexeu no lixo, mas ela....
Foram dois anos para ela aprender, ou melhor, aceitar fazer suas necessidades no banheiro deles, mas ela aceitou e assim tudo ficou mais fácil.
Ela é muito dengosa, amorosa e seus problemas de alergia continuam.
Lembro-me uma vez, que minha amiga Suemi deu para eles roupas de lã.
Ela ficou inteira cheia de feridas e quando fui no veterinário ver o que era, era alergia a lã... rs
Engraçado é na rua. Se eu fico olhando ela, ela não faz xixi nem coco.
Ela fica me olhando, quando eu viro a cara, ela faz.... kkakakakakakaka
Ela gosta de deixar no colo de barriga para cima, encostar a cabeça na barriga e dormir....


É muito delicada na hora de comer... rs Para não dizer, leeeerda rs
Come uma ração por vez... Grão por grão digamos assim rs
Demora quase 30 minutos... Come um pouco, sai, bebe água, volta, come mais, para, olha pra mim, volta comer... rs
Na hora de eu dormir, gosta de deixar em cima do meu travesseiro, ficar na minha cabeça.
Enfim, é um encanto de menina, que no começo deu muito trabalho, mas hoje, uma senhora muito amorosa e comportada!!!

Abraxos

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

História do Pingo!!!





Quem tem ou conviveu de alguma forma com mais de um cachorro ao mesmo tempo, sabe que eles parecem bem com nós, seres humanos, quando se trata de personalidade...

Alguns são parecidos, mas geralmente, todos são bem diferentes...
Aqui em casa por exemplo, os três são completamente diferentes....
Bom, se viram a postagem de ontem, eu falei sobre o Dago, um pequenino que conviveu conosco durante 3 meses.
Como eu escrevi, quando fiquei sabendo que "talvez" ele tenha sido sacrificado, minha consciência pesou muito, durante um bom tempo....
Em 2009 estava eu no pet shop que sempre mandava dar banho nos pequenos, quando me deparei com um pequeno ser, com apenas 2 meses, da cor que eu queria...
Eu tive que pegar este pequeno no colo. Tinha ido buscar o Cão e a Bel que foram tomar banho lá.
Namorei, namorei, mas vim para casa apenas com os dois rs


Passaram-se alguns dias e eu não parava de pensar naquela pequena criaturinha que tinha visto...
Eu ainda estava endividado, a crise estava ainda começando....
Mas, eu não aguentei... rs
Fui lá, conversei com as vendedoras que conhecia a anos, pois foi lá que eu comprei o Cão.
Pede desconto daqui, dali e no fim, parcelei no cartão de crédito rs
Me falaram que ele não ia crescer muito, seus pais eram pequenos e lá veio eu todo feliz com um filhote novo nos braços!!!
Como a maioria dos cachorros, entrou em casa e ficou meio acanhado no começo, mas foi só no começo mesmo, porque em menos de uma hora já estava todo todo.
Corria, corria e corria pelo apartamento rs
Corria atrás do Cão que nem dava bola pra ele e atrás da Belinha que fugia dele como o Diabo foge da cruz kakakakakakaka


Mas, houve um acontecimento muuuuuito estranho, ou melhor, vários...
Tive um sonho, onde "aquela voz" que comentei antes, me disse que eu iria ter uma nova oportunidade... Eu me lembro bem que acordei pensando "que oportunidade?!".
Meu querido caçulinha, Pingo, ou Frederico rs, se mostrou um verdadeiro "monstro" de alguns centímetros!!!!
Ele destruía tudo, mais tudo que via pela frente!!!!!!!
Ele fazia uma bagunça enquanto eu estava trabalhando que vocês não imaginam!!!
Ele virava o apartamento de pernas para o ar e eu juro que ele fazia exatamente igual ao que o Dago fazia!!!!!
Com o passar dos dias, eu pude perceber que ele fazia as mesmas coisas que o Dago.
A sujeira, a bagunça, seu jeito de brincar, seu porte físico, até as brincadeiras....
Eu não o que pensam e nem mesmo eu sei o que pensar, mas apenas sei que tudo me lembrava o Dago.
A bagunça, as atrocidades que esse pequeno ser conseguia fazer no apartamento todos os santos dias que eu saia para trabalhar, eram imensas, inacreditáveis...


Às vezes, só de eu ir ao supermercado e voltar, ele tinha revirado o apartamento...
Eu juro que tive momentos em que cheguei a abrir a porta, ver o estado do apartamento e fechá-la.
Respirava profundamente e só depois eu entrava.
Ele?! O senhor Frederico!? Esta lá, olhando pra minha cara, pulando, balançando o rabo como nada tivesse acontecido...
E a Belinha e o Cão, estavam num canto, olhando para mim como se soubessem o que estava se passando dentro do meu cérebro... rs
Todo dia, por mais de um ano eu passei por isso e juro que só não tive um ataque do coração, porque sabia que tinha que manter a calma e que EU é quem tinha escolhido trazer ele para casa... rs
Vida de pai solteiro não é fácil rs
Mas, tirando esses momentos, não tenho do que reclamar.


Pingo aprendeu rapidamente fazer suas necessidades no banheiro, sempre, sempre foi muito amoroso, carinhoso e tem um detalhe: ele não vai com ninguém!!!!
Não adianta, ele não vai de jeito algum!!!
Eu não sei se cheguei a comentar com vocês, mas eu ensinei tanto com o Cão, como a Belinha a não latirem.
Foi trabalhos, principalmente com a Dona Izabella, mas deu certo.
Já com o Pingo, foi terrível...
Ele é mais que genioso e meu tempo era muito curto nessa época, então, eu tive que mandar operar.
Muitas pessoas criticam isso, mas eu não vejo nada demais.
O cachorro não deixa de latir ele apenas late "mais baixo", como se diminuísse o volume... rs
Mas, eu confesso que me senti um lixo quando ele fez essa operação e sabem  o por que?!
Porque logo após a cirurgia, eu fui visitá-lo. Ele estava num estado deprimente no sentido sentimental.


Quando eu cheguei, pensei que tinham "surrado" o pobre coitado... Ele estava com um olhar de cachorro abandonado, numa tristeza sem limite.
Eu juro que me senti o pior pai do mundo. A doutora que o operou e as enfermeiras disseram que estavam chocadas com o comportamento dele rs
Ele não olhava pra mim e eu estava cada vez pior. Até eu não aguentar mais aquilo e decidi sair. Quando eu levantei não é que o bicho levantou a cabeça e parou de manha?!
Mais eu fiquei muuuuuito puto e dei muuuuuita risada galera, era puro charme!!!!
Claro que ele estava se sentindo sozinho e tal, mas foi dai que eu vi que ele sempre que podia fazia esse olhar de triste, abandonado.
Um exemplo, quando estou me arrumando para sair.
Ele sabe, todos eles sabem.
O Pingo simplesmente deita e faz o olhar de abandonado!!! Sempre!!! Toda vez que vou sair!!! rs
Mas, tudo passou, hoje ele já é um "aborrecente"e está mais comportado.
Mas, eu confesso a vocês que sempre me lembro do Dago quando o vejo e agradeço a Deus por ter me dado esta oportunidade.
Eu não sei onde o Dago está agora, mas eu só sei que o Pingo me lembra sempre ainda aquele pequeno que aqui esteve.
Frederico é o caçula, o peralta, o carente!!!
Tenho que dizer a vocês, que todos os dias, quando eu acordo e sento, ele vem e pula em cima de mim e espera meu abraço rs
Enfim, esta é uma parte da história do meu pequenino rs
Abraxos!!!!

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

ペットシーツ ou Tapetes Higiênicos para Cães


Sei que no Brasil estes "tapetes higiênicos" para cachorros não existe a muito tempo, mas aqui no Japão, existe há vários anos...
Pelo menos a quase nove anos rs, pois o Cão já usava...
Eu já comprei de várias marcas, vários tamanhos e etc...
Quando eles são pequenos, pelo menos os meus três, faziam a "baderna" com estes tapetes...
Simplesmente "destruíam" o máximo que podiam todos os dias, até completarem mais ou menos dois anos... rs

Uma das muitas fazes que houveram aqui em casa...

Era uma loucura quando eu voltava pra casa... rs
Eu ficava "puto" da vida, porque é caro, acabavam fazendo o xixi ou o coco no lugar certo, mas sem o tapete e depois, estes tapetes são "recheados" de "minúsculas bolinhas" de gel que ficavam espalhadas por todo canto e lá ia eu com o aspirador...
Mas, é mil vezes melhor que o famoso "jornal" que usava no Brasil rs
No começo, eu usava juntamente com esses tapetes, o suporte que vendem, mas sinceramente, na época que era apenas o Cão e a Belinha, eu usava 4.

 Foto de outra faze... rs


O problema é que muitas vezes eles resolviam fazer xixi bem entre um e outro... Ai eu comecei a colocar por cima um tapete, mas depois desisti.
Joguei todos fora... Comprei um tipo de tapete de borracha, coloquei no chão onde fica o banheiro deles e depois coloquei estes tapetes diretamente no chão.
Agora que são três, o banheiro aumentou... rs
Bom, estou escrevendo hoje este post, porque sinceramente vejo vários no mercado para comprar e cada um com um preço maior...

Este é o banheiro atual deles... rs
São 16 tapetes no total... 

No meu caso, eles aqui são bem frescos, não costumam usar várias vezes esses tapetes. Se o banheiro estiver sujo, eles simplesmente fazem fora... rs
A Belinha por exemplo é chatíssima... Só faz xixi em um tapete limpo.... Minha sorte é que são 12 tapetes no total no banheiro deles rs
Então, eu não compro o dos mais caros, porque caso contrário, vou a falência...
Também não compro o mais barato que vejo, porque sinceramente, comprei umas duas vezes e me arrependi muuuuuito...

 Dica para quem tem cachorro macho que tem o costume
de levantar a perna para urinar.



O problema é que aqui em casa, só o Cão praticamente faz xixi no passeio que damos...
A Belinha é fresca e o Pingo, faz xixi a toda hora... rs Vai lá no banheiro e faz uma pocinha, depois de um tempo, vai lá e faz outra... rs
Então tenho que ter este banheiro...
Usei durante muitos anos um que vende no Home Center Valor, mas com o passar dos anos, ou melhor, depois de 7 anos, o preço aumentou.
Ai acabei trocando pelo um que vendo no Home Center Cainz Home. Não é lá mil maravilhas, mas estava usando.

Este é o vendido no Home Center Cainz Home
Link:

Mas, navegando pela Internet, achei um outro que gostei mais.
É mais barato e muito bom.
Este é o link:

http://store.shopping.yahoo.co.jp/petland/b010036.html



Aqui em casa eu uso mais ou menos em um mês, 16 pacotes, com 50 unidades cada um...
Acho prático comprar pela Internet no meu caso, porque além de achar produtos mais baratos, não tenho que ficar "carregando" nada, pois não dirijo... rs
E ainda além de ser mais barato, eu não gasto em transporte e eles entregam de graça dependendo de quanto você compra. Esta loja por exemplo, não cobra a entrega em compras acima de ¥ 2.500 (dois mil e quinhentos yenes). Eu gastei bem mais que isso... rs

Cada caixa vem 8 pacotes. Cada pacote tem 50 unidades.
Total de 400 unidades por caixa...
Essas 4 devem durar mais ou menos 2 meses... rs 

No Brasil eu não sei como as coisas funcionam...
O único lugar que conheço é o Pet Shop "YourPet"

Estes são do Brasil, foto tirada do site 
do pet shop YourPet. 

Eis o link dos tapetes:

http://www.yourpet.com.br/produto/Baby-Pads-%252d-Tapetes-Higi%EAnicos.html

Abraxos a todos!!!!




domingo, 4 de novembro de 2012

Ana Carolina - Ruas de Outono (Letra e vídeo)


Ruas de Outono 

Ana Carolina

Nas ruas de outono
Os meus passos vão ficar
E todo abandono que eu sentia vai passar
As folhas pelo chão
Que um dia o vento vai levar
Meus olhos só verão que tudo poderá mudar

Eu voltei por entre as flores da estrada
Pra dizer que sem você não há mais nada
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto

Daria pra escrever um livro
Se eu fosse contar
Tudo que passei antes de te encontrar
Pego sua mão e peço pra me escutar
Seu olhar me diz que você quer me acompanhar


**********************

Estas duas juntas foi demais!!!!

Linda, linda música, letra, melodia...

O que acharam?!

Abraxos!!!!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A História de Dago





Não me lembro em que ano tudo isso aconteceu....

Minha memória é cada vez pior... rs
Mas, acho que foi em 2006...
Eu trabalhava aqui perto de casa, com mais não sei quantos brasileiros.
Uma colega comprou para seu filho um cachorro, da mesma raça que os meus...
Como a maioria das pessoas, infelizmente, ela se esqueceu que ter um cachorro dentro de um apartamento é totalmente diferente do que ter um em um quintal...
Assim começou a "guerra" na casa dela...
Pelo que pude perceber, sem nenhuma experiência em lidar com cachorros, sem nenhuma paciência e boa vontade, ela e o cachorro não se entendiam.


Depois de um mês ela perguntou se eu não queria o cachorro.
Eu falei que não, pois na época, um terceiro estava fora de cogitação...
Depois de uns dois meses fiquei sabendo que ela deu o cachorro para um casa de conhecidos nosso.
Conversando com estes, me disseram que pegaram o cachorro por pena, pois estava sendo muito maltratado.
Disseram que ele apanhava muito e que nos últimos tempos vivia trancando no banheiro, dentro da banheira.
Que ele comia e bebia lá e ainda fazia suas necessidades.
Não só isso, não tiravam ele de lá para nada. Tomavam banho, molhavam o cachorro e deixam ele lá.


Algum tempo depois, este casal decidiu ir viajar para o Brasil e perguntaram se eu não podia cuidar do cachorro até ele voltarem.
Bem eu sei quanto custa um hotel por aqui, por isso eu aceitei. Temos que ajudar quem precisa!!!
Disseram que tinham educado o pequeno, mas logo que chegou em casa,, fez xixi no meio da cozinha... rs
Bom, foi um verdadeiro inferno....
O cachorro, que comecei a chamar de Dago, não fazia nem xixi nem coco no lugar certo....
Destruia tudo que via na frente... Mastigava tudo....
Mas, era totalmente traumatizado, morria de medo de tudo....
Comecei a dar carinho, beijos, abraços e tal.
Ele era tão traumatizado, que se falasse um pouco mais alto com ele, fazia xixi na hora e deitava sobre ele morrendo de medo...
Eu vou ser sincero, naquela época eu trabalhava das 8 da manhã até 10 da noite de segunda a sexta. No sábado das 8 as 8 e as vezes no domingo...
Era uma loucura conciliar trabalho, os pequenos que já tinha e o novo que só aprontava...
Quando eu acordava, tinha que pegar o Dago e correr para o banheiro deles, pois caso contrario, ele fazia xixi na cama... 


Ele era muito carente, não desgrudava de mim e continuava a não fazer nada no lugar certo...
Três meses se passaram e nisso eu fiquei sabendo que o casal não voltaria mais ao Japão, que tinham mentido....
Vocês não imaginam meu desespero....
Depois de três meses aqui em casa, ele era totalmente diferente de quando tinha chego.
Já fazia xixi e coco no banheiro deles, corria, pulava, se divertia com os outros dois.
Ele e a Belinha pareciam um casal de tão grudados que eram!!! rs
Bom, o casal que tinha deixado ele aqui em casa, acabou tendo problemas no Brasil e teve que voltar para cá.
Nem deram sinal de vida, outras pessoas que me contaram...
Eu não tinha condições de ficar com ele, trabalhava muito mesmo, não tinha tempo para nada, então mandei o pequeno de volta.


Não vou mentir, eu sentia um remorso muito grande de fazer isso, mas eu estava muito cansado.
Dago estava mudando, mas ele destruia a casa todos os dias e já faziam três meses.
Rasgava as fraldas do banheiro deles, fazia uma bagunça sem tamanho.
Eu chegava do trabalho exausto e ainda tinha que limpar tudo, para depois jantar e dormir...
Todo dia eu ia dormir as 2 da manhã para acordar as 6...
O casal não gostou nem um pouco, disseram que tinham me "dado" o pequeno e que eu tinha aceitado.... Totalmente diferente do que tinham pedido...
Enfim, o tempo passou.
O casal deu o Dago para outro casal.
Depois de tempo passado, fiquei sabendo que este casal deu para um japonês que não aguentou e mandou sacrificar o Dago.
Eu não sei se isso é verdade ou não, mas sei que minha consciência pesou muito na época...
Eu sei que não tinha condições, sei que fiz o que tinha que fazer, mas agente sempre sente um peso... Não adianta...


Aqui no Japão, se alguém não pega esses animais abandonados, ou alguma instituição, eles são executados em câmera de gás.
Tanto que no zoológico, deixam vários e se entre duas semanas ninguém os adota, a prefeitura manda para esta câmera...
Aqui, tudo é resolvido na prefeitura.
Sei que é verdade, pois já fiquei sabendo de outros casos.
Um brasileiro uma vez ia voltar para o Brasil e não ia levar seu cachorro.
Foi na prefeitura e mandou ele para a câmera...
Quando penso nisso, sinto uma dor muito grande no peito, me sinto simplesmente sem forças para poder fazer algo...
Não sei se algum dia saberei ao certo se vou saber o que aconteceu com o Dago, mas jamais vou esquecê-lo.
Abraxos.