Google+ Followers

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Deus cria as flores, o homem idealiza o jardim


O espetáculo da primavera explodindo em flores e cores é deslumbrante.

Quase inacreditável, não ocorresse todos os anos, que, após os meses de inverno, com temperaturas extremamente baixas, haja tal profusão de botões e flores se abrindo aos beijos do sol.

Árvores, até há pouco desnudas, se vestem de verdes variados e se engalanam com folhas.

Mas o espetáculo que o homem monta com árvores, plantas, folhagens e flores é sempre indescritível.

Em determinados locais, o encantamento extrapola tudo que se possa pensar em colorido. Assim é, por exemplo, no jardim de Kawachi Fuji, localizado a cerca de seis horas da capital japonesa, Tóquio.

Nesse jardim, nada menos do que cento e cinquenta pés de glicínias chinesas atraem as vistas dos turistas, especialmente no túnel, que permite ocaminhar sob um encantador céu, repleto de cor e perfume.

Também em Mainau, a famosa ilha, no lago de Constança, na Alemanha, a diversidade de flores, árvores e plantas excede o comum.

Carvalhos e cedros frondosos dão ao local uma silhueta elegante, além de uma legião de plantas de vasos e uma valiosa coleção de árvores cítricas.

De junho a agosto, cerca de nove mil roseiras de quatrocentos tipos diferentes oferecem suas rosas. Além das cores, dos perfumes, da textura das pétalas de cada flor, encantam os visitantes as formas compostas pelos jardineiros.

Em Bruxelas, na Bélgica, a cada dois anos, a cidade se transforma num palco de grande espetáculo: um enorme tapete de begônias é montado, formando uma composição belíssima, cuja vista é gratuita para todos os passantes.

A Bélgica é a maior produtora de begônias do mundo. Todas as flores do tapete são verdadeiras e cultivadas no próprio país.

Embora sem solo, elas são colocadas lado a lado, de forma tão apertada, que criam seu próprio microclima, permanecendo frescas e coloridas por dias.

Enfim, em todas as cidades, praças e parques do mundo é possível encontrar a policromia das flores ajustada pela mão humana.

O homem é genial na elaboração de figuras geométricas em canteiros, misturando cores, idealizando belezas.

Em qualquer jardim, por menor que seja, até mesmo na pequena sacada de um apartamento, se poderá ver o que faz a mão humana com a produção Divina.

É mesmo assim: Deus cria as flores e o homem compõe os jardins.

Une-se a genialidade infinita de Deus à criatividade humana e o resultado é o que extasia os nossos olhos e o Espírito.

Nesses momentos, a alma se sente mais próxima de seu Criador, Pai e Senhor.

E o homem se sente feliz compondo esses poemas de cor e perfume, utilizando-se da essência Divina que em sua intimidade dormita.

Nessa cumplicidade de arte, mais uma vez atesta-se da grandeza do Criador. Ele poderia ter feito tudo sozinho. No entanto, desejou que o homem se tornasse colaborador constante.

Por isso é que o homem todos os dias se supera, engendrando mais e mais versos em cores e poesias de perfumes.

Deus cria as flores, o homem idealiza os jardins.



Redação do Momento Espírita.
Em 24.10.2013.


Um comentário:

  1. Flores são sempre lindas. São obras de Deus na terra onde o homem dá mais uma ajudinha para ficar mais bonito ainda.
    A foto com o jardim feito um túnel é maravilhosa, demais. Imagina passear por debaixo delas, que encanto.
    Beijos prá ti e para as crianças.

    ResponderExcluir