Google+ Followers

sábado, 15 de agosto de 2015

Na memória silenciosa de Deus



Certo dia, passeando pelo parque, notei dois idosos sentados em frente ao lago. Mãos dadas, sorrisos largos e uma cumplicidade admirável entre eles.
Tal cena me chamou profundamente a atenção. Por conta de minha natureza curiosa, me aproximei, no exato instante em que o senhor, distendendo seu braço, aproximou-se de sua amada e a envolveu.
Os lábios brevemente se encostaram, seguido por um eu te amo comovente e apaixonado.
Depois de passar a enrugada mão pelo rosto da esposa, o senhor, sorrindo, virou-se em minha direção – eu, que por conta de minha curiosidade estava perto demais – e asseverou: Sessenta e três anos, meu filho.
Perdão, meu senhor. Não compreendi bem, disse eu, um tanto quanto envergonhado por conta do flagrante.
Sessenta e três anos, repetiu ele, rindo, provavelmente ao constatar meu rubor ligeiro. Nesta semana, minha esposa e eu completamos sessenta e três anos de um casamento feliz e apaixonado.
Puxa! Exclamei. E qual o segredo para um casamento tão duradouro?
O rapaz tem tempo para ouvir a resposta? Hoje em dia, os jovens não têm tempo para nada.
Tenho sim, senhor, respondi, me sentando em outro banco, próximo ao apaixonado casal.
Bem, disse ele, certa vez li, em um livro, o que considero ser a receita para um casamento feliz.
E, tomando as mãos de sua esposa entre as suas, o sábio idoso começou a declamar:

“Nascestes juntos e juntos ficareis para sempre.
Ficareis juntos quando as asas brancas da morte dispersarem os vossos dias.
Sim, ficareis juntos até na memória silenciosa de Deus.
Mas que haja espaço na vossa comunhão. E que os ventos do céu dancem no meio de vós.
Amai-vos um ao outro, mas não façais do amor um empecilho: seja antes um mar vivo entre as praias das vossas almas.
Enchei cada um o copo do outro, mas não bebais no mesmo copo.
Partilhai o pão, mas não comais do mesmo bocado.
Cantai e dançai juntos, sede alegres. Mas permaneça cada um sozinho, como estão sozinhas as cordas do alaúde, embora nelas vibre a mesma harmonia.
Dai os vossos corações, mas não os confieis aos cuidados um do outro.
Porque somente a mão da vida pode conter os vossos corações.
Mantende-vos juntos, mas nunca demasiado próximos. Porque os pilares do templo elevam-se, distanciados, e o carvalho e o cipreste não crescem à sombra um do outro".

* * *

Muitos são aqueles que respondem, superficialmente, que o objetivo do casamento é a perpetuação da Humanidade.
Todavia, a união entre dois seres é marco de progresso no seio da Humanidade.
O objetivo maior é a evolução moral do ser.
É assim que o casamento se constitui em excelente oportunidade de progresso para aqueles que bem sabem aproveitar. Nele, o meu torna-se nosso.
Ainda, eis grande ensejo de desenvolvermos e praticarmos a fraternidade, a tolerância, o desprendimento, o companheirismo, a benevolência.
O casamento é, acima de tudo, afortunada ocasião para compreendermos que o amor só é amor quando se doa, quando não há interesse, quando as necessidades do próximo são tão ou mais importantes do que as nossas.

Pensemos nisso!

Redação do Momento Espírita, com base no cap. O matrimônio, do livro O profeta, de Khalil Gibran, ed. L&PM Pocket.
Em 14.8.2015.

2 comentários: