Google+ Followers

sábado, 17 de maio de 2014

Cão e o Cancêr


A três anos atrás, começou a crescer uma bola na pata traseira do Cão.
Claro que fui logo a Clínica Veterinária para ver o que era.
Fui atendido pelo Dono da Clínica.
Ele retirou com uma seringa o que havia dentro da bola e me disse que era uma bola de gordura e que eu não precisava me preocupar.
Ainda perguntei mais duas vezes e ele confirmou que não havia nada a se preocupar.
O tempo passou.
Fomos várias vezes à Clínica, ora para vacina, ora para ver a orelha dele, ora apenas para ver se estava tudo bem.
Examinavam ele e nunca falavam nada.
Cheguei a ir em novembro do ano passado por causa da alergia que ele tem na orelha e a médica viu a bola e não falou nada demais, apenas que estava grande.
Como muitos amigos e amigas meus sabem, essa bola cresceu e acabou estourando...
Ele foi para a cirurgia retirar o que muitos chamaram de "cisto".
Ai foi que começou a novela...
Bom, fui a Clínica com ele quatro vezes após a cirurgia, mas foi depois de 15 dias que a Dona da Clínica veio me atender.
Ela disse que depois que o "cisto" foi retirado, ele fizeram um exame e constou-se de ser um "tumor malígno"...
Ou melhor, o Cão está com cancêr...


Além da cirurgia ter sido na perna, local que se movimenta a toda hora e ter sido grande a parte retirada, ela deixou claro que por causa do cancêr, a cicatrizarão ia demorar mais que o normal.
Assim sendo, eles fizeram um tipo de roupa para ele com gazes.
Cobriram todo o corpo, costuraram a parte das patinhas a mão e no corpo dele mesmo e tal.
Ela foi me falando sobre o cancêr dele, o tratamento, as coisas que teria que fazer e tudo mais.
Isso foi num sábado pela manhã. Eu tinha acabado de sair o trabalho, pois trabalho à noite.
Minha amiga Claudina estava lá, ao meu lado, traduzindo tudo.
Eu estava cansado, tinha trabalhado a semana toda, estava sem dormir e com aquela notícia que meu filho mais velho estava com cancêr, eu realmente não sabia o que pensar.
Viemos aqui para casa, aonde deixamos o pequeno e sai para comprar a "jaula" para ele ficar, para que se movimentasse pouco.
Cheguei em casa, montei, fiz tudo que tinha que fazer e quando deitei para dormir, não conseguia.
Minha cabeça não parava de ter mil pensamentos, porem, nenhum especifico. 
A roupinha não estava dando certo, ela começou a lacear conforme ele ia andando. Dobrei as "mangas" da roupinha para ver se melhorava.
Era uma 3:30 hs da madrugada quando vi o relógio pela última vez...
Acordei as 5:30 hs num pulo só e quando olhei para o Cão, ele estava tentando se mexer, andar, mas a roupa tinha laceado de mais e suas patas estavam dentro da roupa, impedindo que ele andasse.
Mas, o que me espantou foi a cor vermelha que estava na perna dele, bem na cirurgia...
Resumindo, quando tirei a roupa dele, digo, cortei com a tesoura, eu não sei se foi isso, mas os pontos, quer fora feitos daquele metal cirúrgico, devem ter enroscado na gaze e aberto os pontos...
Porque os pontos estavam abertos, tinham desses metais na gaze e tal.
Entrei em pânico.
Era madrugada de sábado para domingo e aonde eu ia achar socorro uma hora daquela!!!
Como sempre, minha salvação foi minha amiga Claudina que estava saindo do trabalho, passou aqui em casa e fomos a uma clínica que achei na internet que trabalhava aos domingos.
Fomos muito bem recebidos e para resumir, o Médico Veterinário conversou com a Médica do Cão e ficou combinado entre eles que ele iria apenas fechar os pontos para ela refazer no dia seguinte.
O Cão ficou lá e eu vim para casa...
Não dormi é claro!
Sai de casa as 15:00hs, a Clínica abre depois do almoço às 16:00 hs.
Na verdade, fui atendido só as 19:00 hs.


Voltamos para casa e no dia seguinte fomos a Clínica que ele sempre vai...
O Veterinário da outra Clínica fez um trabalho tão bem feito, que não ia precisar refazer, graças à Deus!!!! Ele também fez um curativo muito bem feito, coisa que essa clínica que vamos não fez.
Mas, a partir desse dia, começaram a fazer esse curativo, coisa que eu achei que devia ter sido feito logo no começo, para cicatrizar melhor.

E ai tudo de novo, dia sim, dia não, ir na clínica trocar o curativo e ver se estava tudo bem...
Por causa do meu horário de trabalho, onde estamos morando e tudo mais, eu chegava em casa meio dia mais ou menos para ai começar fazer as coisas e tinha que levantar as 17:30 de qualquer forma...
Eu chegava a dormir apenas 3, 3 horas e meia por dia.
Depois de três semanas, alguns pontos foram retirados e ai veio a "conversa".
Até então, eu não fiz nenhum comentário com a Médica Veterinária, mas nesse dia eu quis saber como uma "simples bola de gordura" vira um  "tumor malígno"?!?!!?!
Em todas pesquisas que fiz, com as duas amigas Veterinárias Brasileiras que conversei, todos falaram que era impossível isso acontecer.
O que preciso explicar aqui, é que nesses três anos atrás, esta clínica estava pegando fogo, digamos assim. O Dono tinha um gênio insuportável, todos os funcionários estavam insatisfeitos com ele, os outros médicos veterinários e principalmente a esposa...
Eu sabia disso em segredo, por causa de uma conhecida que trabalhava lá.
Resumindo a história, o que me disseram foi que na época que a bola apareceu, não "fizeram" um exame detalhado e tal.
E foi quando perguntei como nesses três anos, ninguém também não falou nada...
Vou dizer à vocês, foi uma bela discussão, ainda mais porque foi o Dono da Clínica que passou o diagnóstico...
Minha amiga Claudina uma hora perdeu a paciência e ai começou... A Dona, ex esposa do Dono, tentou dizer que a culpa era minha e não que foi um erro deles...
No fim, foi um tal de pedir desculpas que não acabava mais da parte da Dona...
Eu tenho que deixar claro que eu não perdi a confiança nela, na Dona.
Eu sei que ela é um excelente médica veterinária, mas o que queria é saber se eu podia confiar nela.
O problema desta clínica, é que são cinco médicos veterinários no total e cada vez que você vai, é um que te atende...
E o que eu queria saber, é se ela iria tratar pessoalmente do Cão e dos meus outros filhos.
E ela disse que sim!


Bom, 4 opções de tratamento e ela nos indicou o que faz em casa...
Então, foi assim que a quimioterapia do Cão começou...
Em um determinado momento, ele tomou uma capsula que é o remédio mais forte.
O efeito colateral desse remédio é que dentro de 48 horas ele pode parar o coração do cachorro...
Por isso é necessário ficar de olho no comportamento do cachorro, se ele ficar inerte muito tempo, é correr para ele tomar adrenalina.
Nem preciso dizer que foram as 48 horas mais preocupantes que tive na minha vida...
Graças à Deus ele não teve reação alguma ao medicamento!!!
A única coisa são pelos caindo e feriadas por todo o corpo...
Ele tomou agora a segunda capsula, que acho que vão ser o total de 4.
Fora os outros remédios diários.
Estamos lutando contra essa doença ainda, estamos apenas numa parte do tratamento.
Uma outra bola nasceu no peito dele, mas até agora não há o que se preocupar...
Por isso, sai do facebook, sumi do blog e levo semanas para responder um e-mail...
Peço perdão a todos, mas eu realmente estou dedicando meu pouco tempo livre ao Cão, a Belinha, ao Pingo e ao Hiro.